Posição errada de manete provocou queda de avião da TAM

Delegado paulista foi a Porto Alegre explicar causa do desastre aos parentes das vítimas

Elder Ogliari, da Agência Estado,

17 Maio 2008 | 16h50

O delegado Antônio Barbosa, do 27º Distrito Policial de São Paulo, confirmou aos parentes das vítimas do Vôo 3054 da TAM que o acidente que matou 199 pessoas em 17 de julho do ano passado foi provocado, entre outras causas, pela posição de um dos manetes, que manteve a turbina direita do avião em aceleração durante a aterrissagem no aeroporto de Congonhas. "Esse foi o fator principal, mas não sabemos se ocorreu por erro do piloto ou falha do equipamento", disse, durante encontro com 160 pessoas neste sábado, em Porto Alegre. Barbosa comanda o inquérito que apura as causas do acidente.   Quem são as vítimas do maior acidente aéreo da história brasileira  Veja vídeo do acidente com o vôo 3054    A informação não provocou impacto entre os participantes da reunião porque já era conhecida desde a época do acidente e foi apenas reafirmada pela investigação. Os familiares preferiram manter a mobilização para esclarecer as outras causas da tragédia pressionando a Aeronáutica, a Infraero, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a TAM a encaminhar explicações sobre respeito às regras vigentes à época e precauções que deveriam ter sido adotadas para evitar o desastre.   Na reunião, os familiares também ouviram o perito em segurança de vôo, Antônio Nogueira, dizer que a pista estava em boas condições e que provavelmente o problema ocorreu na aeronave. "Mas falta a análise das condições no dia do acidente, feita pela Aeronáutica, que já pedimos ao governo federal em dezembro e fevereiro e ainda não temos", indicou o presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo TAM JJ3054 (Afavitam), Dario Scott. "Para os familiares é angustiante não ter todas as informações".

Mais conteúdo sobre:
Congonhasvôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.