Porteiro participa de assalto a prédio e é preso no interior de SP

Quatro homens foram presos acusados de roubar condomínio e manter família refém em Presidente Prudente

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

16 de julho de 2009 | 09h19

O porteiro de um prédio de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, foi preso acusado de participar do roubo a uma família que mora no condomínio. Junto com ele, outros três acusados foram presos. Eles mantiveram uma família refém em um prédio da região central da cidade.

 

O assalto começou por volta das 7h30, em um edifício residencial no centro da cidade. Quando os policiais chegaram ao prédio, surpreenderam quatro homens na garagem, no momento em que se preparavam para fugir num Fiat Uno. O quarteto estava armado com dois revólveres calibre 38, mas não resistiu. Foram recuperadas várias joias, relógios, dinheiro e até um cofre lacrado.

 

Segundo relato das vítimas, os suspeitos entraram pela garagem do prédio e foram até o apartamento, onde se aproveitaram da chegada da empregada para entrar e render toda a família, que ficou trancada em um dos banheiros. Os moradores foram ameaçados e sofreram agressões físicas. Os ladrões tinham informações sobre a situação profissional e financeira da família.

 

Um dos detidos, C.C., de 30 anos, trabalhava como porteiro no residencial e, na hora da abordagem, segurava o controle remoto do portão da garagem, apesar de estar de folga. Ele diz que foi forçado pelos outros suspeitos a abrir o portão, mas seus parceiros negam sua versão e afirmam que ele participou do roubo.

 

Além do porteiro, foram autuados em flagrante, por roubo e formação de quadrilha, na Delegacia Participativa de Presidente Prudente: M.L.A., de 30 anos; R.P.S., de 18 anos; R.I.N., de 27. O porteiro que estava em serviço também está sendo investigado. Além dos dois revólveres calibre 38, municiados com cartuchos intactos e picotados, a polícia também apreendeu, para perícia, o Fiat e vários objetos, entre eles capuzes, bonés, mochilas, fitas adesivas e uma furadeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.