Portão causa ‘briga’ entre MIS e MuBe

Acesso de um museu para o outro foi fechado após 8 anos; segundo instituição, medida é para evitar destruição de jardins e calçadas

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 21h10

SÃO PAULO - O Festival Green Sunset, que ocorre mensalmente no Museu da Imagem e do Som (MIS) desde 2011, não poderá usar os jardins do vizinho Museu Brasileiro da Escultura (MuBe) pela primeira vez. O acesso de um museu para outro, que há oito anos abria ininterruptamente, foi fechado por decisão do MuBe em meados de julho. Na sexta-feira, a direção informou ao MIS que não cederia parte de seu terreno nem para realização do festival.

“Simplesmente em um dia não abriram o portão. Disseram que havia pessoas andando pelo Mube, como se isso fosse estranho. Nunca houve excessos, depredação, apenas pessoas caminhando e sentando no chão como em um parque”, afirma o diretor executivo do MIS, André Sturm.


Segundo Sturm, havia uma negociação de abrir o acesso ao menos para o Green Sunset, que será no sábado, 13 de setembro. “Em agosto, eles abriram o portão para o festival, mas agora não. Nós sempre colocamos segurança e limpeza à disposição, é um evento que tem quase quatro anos. (Com a negativa) Tivemos de avisar a imprensa porque fomos obrigados a parar de vender ingressos. Até este momento não tínhamos polemizado a questão. O que posso fazer além de lamentar?”, questiona Sturm.

Em vez de 2 mil ingressos, foram vendidos 700. Ele diz que “várias vezes” tentou conversar com a diretoria do MuBe sobre o assunto, sem sucesso.

Em comunicado à imprensa nesta segunda-feira, o MIS queixou-se sobre a possível redução do espaço para o festival e o fechamento da conexão entre espaços usados “como área de convivência, ponto de encontro e descanso pelos frequentadores das instituições”. Outros eventos do museu também foram afetados, como o cancelamento da Feira Gastronômica e diminuição de 50% das atividades da Maratona Infantil.

Outro lado. Um dos diretores do MuBe e conselheiro dos dois museus, Olívio Guedes explica que o acesso foi fechado porque as calçadas e jardins do museu estão sendo destruídos pelos visitantes, além de não haver segurança suficiente para o volume de pessoas que circulam no local. Os banheiros também estão sendo usados indiscriminadamente, diz ele.

“Há destruição da calçada por causa do excesso de pessoas. Acho ótimo que tenha a exposição do Castelo Rá-Tim-Bum, mas precisa ter coordenação. Também não há seguranças. E se acontece algo com uma criança que saiu do MIS e veio para o MuBe?”

Guedes reforça que o MuBe nunca recebeu nada com o Festival Green Sunset. “É como se seu vizinho pedisse emprestada a sala de sua casa para fazer uma festa. Depois, como se continuasse fazendo a festa e ainda cobrasse a entrada. Várias vezes o MIS fez eventos onde? No MuBe. Cadê o respeito ao MuBe? O que ele ganha com isso? A destruição de suas calçadas?”, pergunta o diretor.

“O MuBe está aberto a todos e assim continuará, mas este portão está fechado porque o museu está sendo destruído. Não existe uma parceria. Cadê a troca? Se um ganha, o outro também tem de ganhar”, afirma, acrescentando ainda que a diretoria o MuBe não é remunerada, diferentemente da diretoria do MIS.


Mais conteúdo sobre:
MISMuBeSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.