Porsche: dono tem alta; MP quer dobrar fiança

O engenheiro Marcelo Malvio Alves de Lima, de 36 anos, recebeu alta médica no final da manhã de ontem, menos de um dia depois de pagar fiança de R$ 300 mil para responder em liberdade ao processo pela morte da advogada baiana Carolina Menezes Cintra Santos, de 28.

Cida Alves e Marcela Gonsalves, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2011 | 00h00

Alves de Lima bateu no veículo de Carolina na madrugada do último sábado no Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo. Segundo testemunhas, o Porsche que ele dirigia estava a 150 km/h - o limite na via é de 60 km/h. Carolina morreu na hora. Alves de Lima foi indiciado por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Também ontem, o promotor de Justiça Rogério Leão Zagallo pediu à juíza Suzana Jorge Mattia Hihara que duplique o valor da fiança. O requerimento foi feito com base nas condições financeiras do engenheiro e considerou também o valor do veículo envolvido no acidente, um Porsche, de cerca de R$ 600 mil. Segundo o Ministério Público, o pagamento da fiança não torna definitivo o valor, que pode ser alterado para mais ou para menos.

O delegado Paul Henry Verduraz, do 15.º DP (Itaim-Bibi), já intimou o engenheiro para depor sobre o acidente. Ele será ouvido no próximo dia 22. Ao estipular a fiança, a Justiça proibiu Alves de Lima de frequentar bares e boates, de sair de casa à noite e de deixar a cidade enquanto correr o processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.