Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Por R$ 2 bilhões, Kassab quer liberar mais prédios na região da Faria Lima

A 15 meses de encerrar seu segundo mandato, o prefeito Gilberto Kassab quer colocar no mercado R$ 2 bilhões em títulos que vão permitir a construção de prédios acima da lei de zoneamento na região da Avenida Brigadeiro Faria Lima. Pelo projeto enviado à Câmara Municipal, 452 mil metros quadrados poderão ser adquiridos por incorporadoras que quiserem construir novos empreendimentos em uma das regiões mais cobiçadas hoje pelo mercado imobiliário.  

Diego Zanchetta e Rodrigo Brancatelli, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2011 | 00h00

 

Veja também:

link  Moradores reclamam de trânsito e pouco verde

link  'Mais do mesmo vai agravar problemas'

Se aprovada, a proposta do prefeito vai alterar a Operação Urbana Faria Lima, de 1995, e descongelar os "estoques" (áreas disponíveis) para novos condomínios comerciais e residenciais em bairros já saturados, como Pinheiros e Itaim-Bibi, principalmente na Avenida Hélio Pellegrino e no entorno do Largo da Batata. No total, o prefeito quer vender mais 500 mil Certificados de Potencial Construtivo (Cepacs), quase o mesmo número que já foi negociado nos últimos dez anos na região.

No último leilão da operação, em 25 de maio de 2010, cada Cepac foi comercializado por R$ 4 mil, valor considerado até baixo nos dias de hoje, pela demanda do mercado - ou seja, com a venda, a Prefeitura lucraria no mínimo R$ 2 bilhões e as construtoras poderiam usá-los para construir prédios mais altos em terrenos menores.

"É que sobraram metros quadrados na região, mas não temos mais Cepacs para vender. O que for arrecadado agora será investido em melhorias dentro do próprio perímetro da operação", argumentou o secretário municipal de Planejamento, Rubens Chammas, que espera fazer o leilão dos novos Cepacs até o fim do ano. "Não estamos criando metros a mais, apenas estamos criando mais Cepacs para vender o que já existe."

O projeto chegou ontem a gabinetes de vereadores e já provocou reações adversas até de quem é do mercado imobiliário. Dono de construtora, o vereador Domingos Dissei (DEM) avalia que a região da Faria Lima já está com "trânsito impraticável" para receber mais empreendimentos. "Tem gente desesperada atrás de Cepac da Faria Lima e não existe mais nem para revenda. O problema é que a região se adensou demais. Talvez o governo devesse abrir mão desses últimos 452 mil m² para evitar colapso no trânsito."

PARA ENTENDER

A operação urbana permite obter dinheiro do mercado imobiliário para fazer melhorias urbanas. Com preço alto do m² e falta de terrenos, as construtoras precisam erguer prédios cada vez mais altos. O governo põe à venda títulos chamados de Cepac, que permitem ao comprador construir além de limites impostos pelo zoneamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.