Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Por hora, 3 são multados em vaga de idoso

Para usar espaço reservado, veículo deve ter cartão de identificação da Prefeitura

Cristiane Bomfim, O Estado de S.Paulo

17 Março 2011 | 00h00

A cada hora, três motoristas são multados na capital por estacionar irregularmente nas 1.761 vagas de Zona Azul reservadas para idosos. Desde a criação do Cartão do Idoso, em março de 2010, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) já aplicou 24.282 multas. A autorização especial é dada pela Prefeitura de São Paulo para o estacionamento de veículos conduzidos ou que transportem pessoas com mais de 60 anos.

As desculpas de quem para o carro nas vagas de idosos são sempre as mesmas: pressa, falta de lugar na rua para deixar o veículo, compromissos urgentes ou consultas de emergência. "Sempre respeito as vagas de idosos e deficientes, mas estou com um problema nos olhos e tinha uma consulta de emergência. Parei, porque não tinha vaga", justificou ontem o estudante Danilo da Silva Santos, de 22 anos.

Assim que chegou para retirar o carro, um Ford modelo EcoSport, na Rua Jesuíno Arruda, no Itaim-Bibi, Danilo teve o cuidado de olhar no painel se havia alguma multa colocada no limpador do para-brisa - não tinha. O veículo ficou por quase duas horas estacionado na altura do número 850 da via, na frente de um estacionamento que cobra R$ 10 pela primeira hora e R$ 3 pelas seguintes. O rapaz, além de não respeitar a vaga destinada aos idosos, também não usou o cartão de Zona Azul.

"Os motoristas sempre inventam uma desculpa, porque ninguém quer ser pego no flagra cometendo uma irregularidade. Sempre tentam dar um jeitinho", afirma o diretor da Associação das Vítimas de Trânsito (Avitran), Salomão Rabinovich. Para ele, o número de multas por estacionamento irregular é reflexo da falta de educação e respeito.

"As pessoas não entendem a importância de uma lei como essa, não se colocam no lugar das pessoas que têm esse direito. Esquecem que vão ficar velhas um dia", diz Rabinovich. A opinião é compartilhada por Maria Tereza Campos, psicóloga e coordenadora do Curso de Especialização em Psicologia do Trânsito, da Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul). "É uma lei muito importante. Mas não adianta ter a lei se não houver um trabalho de consciência social."

Maria Tereza afirma ainda que o número de vagas é insuficiente. "A população brasileira está envelhecendo", comenta. Hoje, segundo a Fundação Seade (Sistema Estadual de Analise de Dados), a cidade tem 1,39 milhão de habitantes com 60 anos ou mais, 12% de sua população.

As vagas para idosos estão espalhadas principalmente por áreas comerciais e de grande movimento, onde o estacionamento é controlado pela Zona Azul. Elas são 5% do total das 35,5 mil vagas pagas na cidade.

Para ter o direito de estacionar nesses pontos, é preciso deixar o cartão do idoso visível no painel. "Tenho a autorização, mas algumas vezes, quando chego na vaga identificada, vejo que já tem carro sem ela estacionado", conta o aposentado Mário Saito, de 65 anos. A vaga, às vezes, pode estar sendo ocupada por motoristas como Reinaldo Lozano, de 41 anos. Ele parou em uma vaga de idosos para levar o filho, que possui deficiência motora, ao médico. "Não tinha onde parar. E arrisquei nessa vaga. Não costumo fazer isso."

COMO FAZER

PARA TIRAR O CARTÃO DO IDOSO, PARA USO NA ZONA AZUL PAULISTANA

1 Use a internet

Acesse o site da Secretaria Municipal de Transportes, pelo www.prefeitura.sp.gov.br

2Preencha o requerimento

Para tanto, acesse o link do cartão e depois o Sistema Unificado de Autorizações Especiais

3 As condições

Cada requerimento vale para uma pessoa, residente no Município e maior de 60 anos.

4Documentação

Encaminhe protocolo, CPF, RG e comprovante de residência para o endereço solicitado

5 Retirada

Após dez dias da aprovação, o cartão poderá ser retirado na R. do Sumidouro, 740 (Pinheiros)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.