Por falta de pagamento, motoristas paralisam viação na zona leste de SP

Ônibus de 24 linhas foram tirados de circulação e 150 mil passageiros foram afetados

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2013 | 11h32

SÃO PAULO - Trabalhadores da Viação Itaquera Brasil, cujos ônibus atendem a zona leste da capital paulista, estão paralisados desde o início da manhã desta sexta-feira, 11. Eles alegam que a empresa não pagou os salários e horas extras e que o convênio médico foi cortado também por falta de pagamento. Devido à paralisação, que começou ainda na madrugada, 220 ônibus não saíram da garagem.

Por dia, as 24 linhas às quais se destinam esses veículos atendem a cerca de 150 mil passageiros, segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), gerenciadora do sistema de ônibus da capital.

O Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese) foi acionado às 3h15 para tentar minimizar o impacto da paralisação dos funcionários da Itaquera Brasil. Ao todo, 12 linhas foram restabelecidas, por meio do serviço de empresas como Sambaíba, Via Sul e VIP Transportes.

De acordo com Romualdo Santos, assessor do presidente eleito do Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindmotoristas), Valdevan Noventa, uma reunião está prevista para as 14h30 com membros da SPTrans para definir qual empresa deverá assumir as linhas da Itaquera Brasil.

Ele afirmou que só 22% dos 1,5 mil funcionários da Itaquera Brasil receberam seus salários no último dia 5. A reportagem não conseguiu contato com a empresa.

O caso é semelhante ao da viação Oak Tree, que deixou de funcionar em setembro também por problemas trabalhistas.

Mais conteúdo sobre:
greveônibusviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.