NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Mais de 170 pessoas por dia reclamam de falta d'água na Grande SP

Na capital, foram 130 queixas a cada dia, em um total de 5.987; a cidade de São Paulo representa 73,8% da região metropolitana

Leandro Nossa, Especial para o Estado

18 Novembro 2015 | 07h00

SÃO PAULO - Por dia, mais de 170 consumidores reclamam de falta d'água na Grande São Paulo, aponta relatório divulgado nesta quarta-feira, 18, pela Aliança Pela Água, organização que reúne entidades ambientais. Os números foram coletados por meio do aplicativo "Tá Faltando Água" e são do período entre 10 de setembro e 26 de outubro. 

Nestes dias, foram feitas 7.981 reclamações na Grande São Paulo, totalizando 173,5 registros por dia. As notificações representam 75% do que foi coletado pelo aplicativo em todo o País. 

Os dados serão encaminhados para o Ministério Público Estadual (MPE). A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou, em nota, que, com a redução da disponibilidade de água desde o início da crise hídrica, era previsível o aumento no número de reclamações.

Na capital paulista, foram feitas 130 reclamações a cada dia, num total de 5.987 registros. A capital representa 73,8% das queixas feitas na região metropolitana, seguida por Guarulhos, Santo André, Osasco e Carapicuíba. O bairro de São Paulo onde os moradores mais reclamaram da falta de abastecimento foi o Limão, na zona norte, com 326 ocorrências.

A coordenadora da Aliança Pela Água, Marussia Whately, avalia que os dados confirmam que o problema do abastecimento não atinge apenas a capital, já que 32 das 39 cidades da região metropolitana tiveram ocorrências. 

"Os dados confirmam o que já foi levantado em outras pesquisas. O problema não é só São Paulo, mas os municípios atendidos pela Sabesp e que também compram água dela têm mais problemas. Com o aplicativo também foi possível cruzar a falta d'água com o sistema de abastecimento. A região do Cantareira tem o maior número de notificações, assim como as suas áreas de flexibilização", disse.

Dos dez municípios da região metropolitana com maior número de ocorrências, sete são atendidos pela Sabesp. Em todo o Estado, foram 8.113 reclamações. 

Ação. O relatório com os dados será enviado para diversos órgãos municipais, estaduais e federais, entre eles o MPE. Para o promotor do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) de Piracicaba, Ivan Carneiro, o órgão pode tomar providências legais a partir dos números.

"Esses dados são bastante importantes para regular a eficiência e a qualidade do serviço sob o aspecto do consumo. O aplicativo em si não baseia uma ação, mas com outros indícios pode gerar medidas. Este relatório é um instrumento importante para diagnosticar o problema que temos investigado no Estado", afirmou.

A Sabesp informou também que, apesar das ocorrências registradas pelo aplicativo corresponderem, na pior hipótese, a 0,13% de ligações da Sabesp, é fato que há ainda uma situação de anormalidade no fornecimento de água. "A companhia agradece a contribuição da Aliança pela Água e solicita que os casos computados pela instituição sejam encaminhados para a Central de Atendimento 195, a fim de que possam ser avaliados pela nossa equipe técnica."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.