População carcerária cresceu 350% em 19 anos

A quantidade de presos no Brasil saltou de 114.377 em 1992 para 514.582 no ano passado - alta de 350% - segundo dados da organização não governamental (ONG) Centro Internacional para Estudos Prisionais (ICPS, na sigla em inglês).

O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2012 | 02h10

Com isso, em 2011, o Brasil ocupou a quarta posição no ranking de países com as maiores populações carcerárias do mundo, ficando atrás apenas de Estados Unidos, China e Rússia.

Já o número total de habitantes no País registrou aumento de 30%: passou de 146,8 milhões em 1991 para 190,7 milhões em 2010, de acordo com os censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o especialista em sistema carcerário e pesquisador do Centro de Pesquisa de Pós-Graduação sobre as Américas (Cepac) da Universidade de Brasília (UnB), Alexandre Rocha, "na prática não temos uma política penitenciária". "Nosso sistema está falido. O assunto só é discutido em momentos de crise, como a atual onde de violência em São Paulo."

"Por outro lado, somente construir novos presídios não vai resolver a superlotação", continuou Rocha. A taxa de encarceramento do País é das mais altas do mundo. Com isso, a ressocialização dos presos fica só no discurso. Além de mais investimento em infraestrutura e pessoal, precisamos incentivar a adoção de penas alternativas para crimes de menor gravidade", disse o especialista. /MARCELO GOMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.