Secretaria de Administração Penitenciária
Secretaria de Administração Penitenciária

Pombos são capturados ao transportar celulares para cadeias em SP

Duas aves foram apreendidas por agentes em unidades de Parelheiros, na capital, e Franco da Rocha, na região metropolitana

Julia Belas, especial para o Estado

24 Outubro 2017 | 17h38

SÃO PAULO - Dois pombos foram capturados enquanto transportavam telefones celulares para presídios em São Paulo. As aves eram utilizadas para levar os aparelhos aos detentos da Penitenciária ASP Joaquim Fonseca Lopes, em Parelheiros, na zona sul da capital, e da Penitenciária I Mário Moura Albuquerque, em Franco da Rocha, na região metropolitana.

+++ SEUS DIREITOS: Imóvel abandonado atrai ratos e pombos

Esta não foi a primeira vez que pombos foram utilizados para o transporte de celulares neste ano. Em fevereiro, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) noticiou que uma pomba foi capturada com um celular e uma bateria costurados ao corpo. Os agentes pegaram a ave no pavilhão da Penitenciária II Nilton Silva, também em Franco da Rocha.

+++ 'Pombo' que caiu em telhado levou à investigação sobre advogados do PCC

A SAP não soube informar o que aconteceu com os pombos-correio depois da captura, feita pelos próprios agentes de escolta e vigilância das unidades. Até o fim da tarde desta terça-feira, 24, as penitenciárias também não haviam divulgado o destino das aves.

 

 

Penitenciárias

A Penitenciária I Mário Moura Albuquerque, em Franco da Rocha, foi inaugurada em 1998 e recebe presos em regime fechado e semiaberto. O local tem capacidade para 914 detentos, porém conta com 1.864, mais do que o dobro.

Já a Penitenciária ASP Joaquim Fonseca Lopes, no extremo sul da capital, recebe apenas presos em regime fechado. O local, inaugurado em 2009, tem capacidade para 938 pessoas e abriga 1.429 detentos, segundo dados fornecidos pela SAP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.