Poluição continua severa na capital

Índice de saturação do ar na Região Metropolitana não apresentou alteração

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2011 | 00h00

A capital paulista e 32 cidades da Região Metropolitana de São Paulo não apresentaram alterações nas classificações de saturação: continuaram todas com níveis considerados severos.

Das sete cidades que apresentaram saturação nos níveis de Material Particulado (MP), quatro estão na Grande São Paulo - as outras são Santos, Cubatão, na Baixada Santista, e Santa Gertrudes, no interior. Outros municípios na Região Metropolitana aparecem como quase saturados: Santo André, São Bernardo do Campo e Taboão da Serra. "Na Grande São Paulo, o problema principal é o carro", explica o gerente do Departamento de Qualidade Ambiental da Cetesb, Carlos Komatsu.

A cidade de São Paulo, que tem uma rede de 12 estações de medição, foi a única em que há registro de outro gás poluente: o dióxido de nitrogênio (NO2), que apresentou nível de quase saturação. Assim como o ozônio e o Material Particulado, o NO2 é um gás irritante para os pulmões e diminui a resistência às infecções respiratórias.

"A Cetesb expandiu as medidas na cidade, para a Universidade de São Paulo, por exemplo. E como os ventos sopram para a zona oeste (onde está localizada a Cidade Universitária), temos um diagnóstico mais acertado", afirma o professor Paulo Saldiva, coordenador do Laboratório de Poluição da USP. "Na verdade, temos um diagnóstico mais acertado em todo o interior do Estado. E vai ficar ainda mais claro com os novos parâmetros."

Melhora. O levantamento de saturação e severidade da Cetesb mostrou que houve melhoras em várias cidades do Estado. Apesar de ter aumentado o número de cidades consideradas saturadas, 12 municípios tiveram melhora na qualidade do ar. A maioria está no entorno de Ribeirão Preto.

Outra boa notícia é que a capital paulista mostrou melhora no nível de monóxido de carbono (CO). Nos últimos três anos não houve extravasamento dos limites desse gás.

PARA ENTENDER

Novo padrão não é usado

A lista de áreas saturadas ainda não leva em conta os novos parâmetros de qualidade do ar aprovados em maio. Com esses padrões mais rígidos, em acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais áreas estariam saturadas - para se ter uma ideia, o nível aceitável hoje de Material Particulado (MP) é três vezes superior ao padrão estipulado. As regras de licenciamento ambiental também serão revistas, afirma a Cetesb.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.