Políticos citados na Máfia do ISS são investigados separadamente

O Ministério Público investiga sete fiscais, dos quais dois assinaram acordo de delação premiada para colaborar com a apuração.

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2014 | 12h54

SÃO PAULO - O Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec) do Ministério Público Estadual (MPE) enviou à Procuradoria-Geral de Justiça as denúncias colhidas contra o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), seu ex-secretário de Finanças, Mauro Ricardo, e contra os vereadores Antonio Donato (PT) e Aurélio Miguel (PR), durante as investigações sobre a Máfia do ISS. Como consequência disso, a primeira denúncia do caso deve envolver apenas os fiscais citados no esquema. O MPE investiga sete fiscais, dos quais dois assinaram acordo de delação premiada para colaborar com a apuração.

"É preciso colher mais informações sobre essas autoridades. Por isso, encaminhei os depoimentos que citam essas pessoas ao procurador", disse o promotor de Justiça Roberto Bodini, que preside as investigações. "Tenho provas mais claras contra os fiscais envolvidos diretamente no esquema", continuou o promotor. Contra os políticos, entretanto, há apenas o relato de testemunhas, algumas delas protegidas.

A denúncia contra a máfia ainda não começou a ser elaborada. O Gedec ainda considera ouvir novas testemunhas, inclusive trazendo provas do envolvimento de políticos com o esquema.  O ex-secretário Mauro Ricardo, que ainda deve ser ouvido pelo Gedec, é o que deve fazer mais explicações. O MPE diz que Ricardo foi "no mínimo omisso" ao permitir a ação da máfia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.