Políticas de combate ao crack no centro de São Paulo: veja cronologia

Primeiro programa de recolhimento de usuários na cidade foi lançado em 2009 e iniciou discussão sobre internação compulsória

O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2013 | 09h52

21 de julho de 2009

A Prefeitura de São Paulo cria o programa de recolhimento - com autorização judicial - para internação e tratamento de dependentes de crack, até mesmo de menores. A partir daí começou a discussão sobre internação compulsória. 

3 de janeiro de 2012

Prefeitura e Estado colocam em prática o Plano de Ação Integrada Centro Legal. Policiais ocupam a cracolândia para impedir o tráfico e o consumo do crack. A ação é baseada na estratégia de “dor e sofrimento”. 

21 de janeiro de 2012 

Relatório da PM - feito com base nas ligações para o 190 - aponta que a ocupação da cracolândia levou à migração dos usuários para 27 bairros. 

27 de março de 2012

Prefeitura inaugura o Complexo Prates, no centro, para acolher e tratar dependentes. 

27 de setembro de 2012

Projetado para atender até 1.200 usuários por dia, o Complexo Prates recebe em média 280 pessoas.

Mais conteúdo sobre:
crack, são paulo, políticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.