Policial mata adolescente na frente de faculdade

O soldado Erisvan da Paz, da Força Tática do 29.º Batalhão da Polícia Militar de São Paulo, foi preso em flagrante ontem, acusado de matar com um tiro na cabeça o adolescente Alisson de Paula Guerreiro, de 15 anos, na frente da Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul), em São Miguel Paulista, zona leste da capital.

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2011 | 00h00

O estudante da 8.ª série estava com amigos em um bar, quando uma viatura da PM chegou à Avenida Dr. Ussiel Cirilo, na Vila Jacuí, anunciando blitz, por volta das 23h30 de anteontem. Parentes do jovem afirmam que o policial disparou contra a cabeça de Alisson "várias vezes".

Em nota, a PM afirmou ter sido um único disparo, "acidental" e afirmou que o caso será investigado pela corregedoria da corporação. Levado ao Presídio Romão Gomes, o soldado foi indiciado por homicídio culposo (sem intenção).

Pais do adolescente questionam a versão da polícia. "O médico (do Hospital Tide Setúbal, para onde Alisson foi levado) me disse que meu filho chegou no hospital com mais de dois tiros na cabeça", disse o pai, o motorista Alexandre de Lima Guerreiro, de 38 anos. "Com a mesma mão que ele (o policial) segurava a pistola, puxou meu enteado pelo capuz da blusa. A arma disparou e o tiro pegou na cabeça. Logo em seguida o policial se agachou para procurar a cápsula que havia caído no chão e depois colocaram Alisson na viatura e o levaram ao hospital. Chegando lá, meu enteado estava com vários tiros na cabeça", afirmou a madrasta de Alisson, a costureira Janaína Martins, de 38 anos.

Socorrido ainda com vida, o adolescente morreu a caminho do hospital. E será sepultado no Cemitério da Saudade, em São Miguel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.