Policial do DHPP é morto na porta de casa no Brás

Agente fez uma denúncia de tráfico de drogas em uma praça horas antes; autor seria um investigador da polícia

Daniela do Canto, do Jornal da Tarde,

27 Janeiro 2009 | 06h04

Um policial foi morto na noite desta segunda-feira, 26, na porta de casa, na Rua Melo Barreto, no Brás, na região central de São Paulo. Edson Aires Orphanake, de 36 anos, era do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ele foi  foi baleado no peito por outro policial, supostamente um investigador da Delegacia Seccional Centro, que estaria verificando uma denúncia de tráfico de drogas em uma praça, feita pela própria vítima ao Setor de Investigações Gerais (SIG) horas antes de morrer. O caso será investigado pela Corregedoria da Polícia Civil.   Segundo testemunhas, dois homens chegaram em um carro prata sem distintivos da polícia. Ao ser chamado dentro de casa, Orphanake saiu e foi baleado. Testemunhas afirmam que ouviram ao menos dez disparos. Orphanake foi socorrido por uma viatura da Polícia Militar (PM) e levado ao Hospital Beneficência Portuguesa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de receber atendimento médico.   Orphanake era agente policial de 2ª classe do DHPP. Ele estava na polícia havia 11 anos e era noivo de uma jovem há dez. O casal tem um filho, de pouco menos de 2 anos de idade. Duas horas depois da sua morte, amigos já postavam recados de luto em um site de relacionamentos no qual Edinho possui um perfil.   Texto ampliado às 9h54 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.