Policial civil é baleado e morto em assalto em oficina de Pirituba

Criminosos perguntaram de quem era a moto ali na frente e, ao descobrir que era do investigador, deram três tiros e foram embora

O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2015 | 17h43

SÃO PAULO - Um investigador da polícia civil foi baleado e morto na tarde desta quarta-feira, 26, dentro de uma oficina mecânica em Pirituba, na zona norte de São Paulo. Ninguém havia sido preso até o fim da tarde.

O policial havia deixado sua moto estacionada do lado de fora e estava dentro do estabelecimento, na Rua Manoel Álvares Passos, quando, por volta das 15 horas, dois homens armados entraram no local e renderam os clientes. Segundo a Polícia Militar, eles perguntaram de quem era a moto. A PM trabalha com a hipótese de que os criminosos suspeitavam que ela fosse de um policial.

Os bandidos dispararam três vezes no investigador - um tiro atingiu seu rosto e o outro, seu tórax. Os dois homens fugiram com a arma e a moto do policial. Esta foi encontrada algumas horas depois abandonada na Rua Serra do Cachimbo, a cerca de dois quilômetros do crime.

O investigador foi socorrido pelo helicóptero Águia da PM ao pronto-socorro de Pirituba, mas não resistiu ao ferimentos.

Outro caso. Na madrugada desta quarta-feira, uma quadrilha explodiu um caixa eletrônico no pátio da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) e feriu uma policial militar com tiro de fuzil.

Enquanto os ladrões retiravam o dinheiro, uma viatura da PM fazia patrulha na Avenida Doutor Gastão Vidigal, em um trabalho de rotina. Os policiais não haviam sido avisados sobre a ocorrência e foram surpreendidos pelos bandidos, que dispararam contra o carro. Um tiro de fuzil atravessou o para-brisa da viatura e atingiu uma agente da PM na cabeça. Ela estava internada em estado grave no fim da tarde desta quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
mortePiritubaPolícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.