Policial abordará motoristas em bares

Explicação de PMs e distribuição de panfletos sobre o risco de beber e dirigir estão entre 14 ações educativas anunciadas pelo Estado

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2012 | 03h04

Policiais militares fardados vão abordar frequentadores de bares em todo o Estado, a fim de alertar para os riscos de dirigir após beber e para repassar orientações de direção segura. A ação começa neste fim de semana e faz parte de um conjunto de medidas anunciadas ontem pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), durante a Semana Nacional de Trânsito.

Segundo o comandante-geral da PM, coronel Roberval Ferreira França, durante as ações os policiais vão distribuir panfletos com orientações sobre respeito aos limites de velocidade, aos pedestres, sobre uso de celular enquanto o motorista dirige e, claro, sobre evitar beber antes de dirigir. Mas ele diz que essa é apenas uma das 14 ações que a PM vai adotar até o fim do ano. "É um conjunto que inclui propaganda na TV e no rádio", explica.

Na capital, segundo o capitão Paulo Oliveira, do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran), ainda está sendo definido se os policiais que abordarem motoristas nos bares vão levar o bafômetro. Mesmo com o aparelho, as ações terão apenas caráter educativo.

Oliveira afirma que as abordagens nos bares servem para alertar o cidadão sobre a presença de policiais na área. "O motorista contumaz que é complicado. Aquele que bebe sempre e dirige, mesmo sabendo da presença da PM e da multa, que é cara", afirma. "Fazemos operação (Direção Segura, para fiscalizar a lei seca) de segunda a segunda e todo dia prendemos gente", completa o capitão.

Educação. As ações da Polícia Militar foram anunciadas ontem em um seminário no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado. No evento, a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional também divulgou uma agenda de ações - a secretaria é a atual gestora do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ao todo, os investimentos somam R$ 85 milhões.

Um dos destaques é a criação da Escola Pública de Trânsito, que nasce com orçamento de R$ 15 milhões para dar cursos online para motoristas. O curso não é obrigatório, mas a ideia, segundo o secretário de Planejamento, Julio Francisco Semeghini Neto, é que sejam criados incentivos para os motoristas aderirem ao programa - como, por exemplo, a possibilidade de não sofrer punição por infrações leves de trânsito. "Se você é voluntário, faz todos os cursos, assume um compromisso e, depois, se transforma em um bom motorista, você vai perdendo os pontos (da CNH)", disse.

Para isso, entretanto, o secretário Semeghini disse que seria preciso uma edição de regulamentação específica por parte do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) - o que não tem data prevista para acontecer. Os primeiros 3 mil alunos dos cursos serão funcionários do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), que terão aulas a partir do mês que vem.

Infocrim do trânsito. Outra novidade anunciada pelo governo é a criação do Infocrim do Trânsito - uma alusão ao Sistema de Informações Criminais (Infocrim), da polícia, que registra todas as ocorrências relatadas no Estado de São Paulo.

O Infocrim do trânsito é um sistema que vai coletar informações de todos os acidentes de trânsito do Estado, com data, hora e local, e será usado para adoção de medidas que tornem as vias mais seguras. A gestão desse sistema será feita pelo Comitê Paulista de Ações para Segurança Viária, que vai envolver 11 secretarias (incluindo Saúde, Segurança Pública e Transportes), criado ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.