Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Policiais são coautores de crime em MG, diz secretário paulista

Um agente morreu baleado em tiroteio causado por agentes de segurança paulistas e mineiros em Juiz de Fora

Bruno Ribeiro, José Maria Tomazela e Leonardo Augusto, especial para o Estado

23 Outubro 2018 | 07h00

BELO HORIZONTE, SÃO PAULO E SOROCABA - O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves, afirmou nesta segunda-feira, 23, que trata os nove policiais civis do Estado que se envolveram em um tiroteio com policiais mineiros em Juiz de Fora (MG) como coautores dos crimes praticados na ação, incluindo a morte de um agente mineiro. 

As informações já obtidas dão conta de que os policiais faziam a escolta de um empresário que ia de São Paulo para Juiz de Fora trocar dólares de forma clandestina. O negócio deu errado quando se descobriu que parte das cédulas em real que seriam usadas na negociação eram falsas. Quatro dos policiais paulistas - dois investigadores e dois delegados, sendo um deles do Grupo de Operações Especiais (GOE), força de elite - estão presos em Minas.

Mágino Alves afirmou que a apuração da Corregedoria vai além do fato de os agentes estarem fazendo trabalho extra oficial, o “bico” de seguranças privados - o que por si só já é vedado pela Lei Complementar 2007/79. “(O que está em curso) é bem diferente de uma conduta extra oficial simples e corriqueira. Todos nós assistimos à grande quantidade de dinheiro (R$ 14 milhões) que estava sendo transportada. Isso não permite dizer que era só um trabalho de acompanhamento, de escolta. Era um trabalho em coautoria com o crime que estava sendo cometido pelo particular”, declarou o secretário.

As investigações criminais estão sob responsabilidade da Polícia Civil de Minas Gerais, enquanto a Corregedoria paulista apura infrações administrativas dos agentes de São Paulo. Para a polícia mineira, conforme audiência de custódia feita após a prisão em flagrante dos policiais, o empresário paulista Flávio de Souza Guimarães e Roberto Uyvare Júnior, “dono de empresas situadas em França, Espanha e Brasil”, havia contratado a empresa de segurança de Jerônimo da Silva Leal Júnior, para “realizar um negócio milionário” em Juiz de Fora com o empresário Antônio Vilela. 

Guimarães teria saído do local do tiroteio, o estacionamento de um hospital da cidade, antes de a troca de tiros começar. Leal Júnior e Vilela ficaram feridos na ação e estão presos. Leal Júnior seria dono de uma empresa de segurança e teria organizado o que a polícia mineira chama de “escolta vip”. 

Os paulistas envolvidos, em sua maioria, são policiais jovens e não tinham antecedentes de infrações funcionais graves. O delegado Rodrigo Castro Salgado da Costa, de 31 anos, do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil de São Paulo, um dos presos em Minas, faz parte de uma safra de delegados em início de carreira que têm atuado com destaque em algumas ações na capital paulista. Ele é amigo do investigador Jorge Alexandre de Miranda, de 50 anos, lotado no Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), que por sua vez é meio irmão de Leal Junior. O dono da empresa de segurança conversou com Jorge sobre o trabalho, pedindo que o ajudasse a recrutar policiais para ajudá-lo na escolta. O convite chegou a Rodrigo que, por sua vez, exigiu que outros policiais, seus amigos, participassem da operação, convidando o colega delegado Bruno Martins Magalhães Alves, de 30 anos, assistente do 95.º Distrito Policial (Heliópolis). 

Outros seis policiais - os investigadores Caio Augusto Freitas Ferreira de Lira, Marcelo Pailotti de Almeida e Eduardo Alberto Modolo Filho, os agentes Cristhian Fernandes e Ferreira Cesar Raileanu, e o carcereiro Leandro Korey Kaetsu - foram chamados para dar suporte à operação. O delegado Rodrigo viajou a Juiz de Fora no avião fretado pelo empresário, enquanto os outros oito policiais foram em dois carros alugados. 

Os detalhes do “desacerto”, o desentendimento que resultou no tiroteio, ainda não estão claros. Antonio Vilela, o empresário mineiro que negociava com Flávio de Souza Guimarães, já havia sido detido pela Polícia Civil em São Paulo, em2015, na cidade de São Roque, acusado de “aplicar um golpe” usando notas de dinheiro falsa. 

Negativa

Flávio Guimarães prestou depoimento na Corregedoria da Polícia Civil nesta segunda e negou que estivesse vendendo dólares na ação. Afirmou que iria “pedir um empréstimo” para sua empresa e havia contratado a segurança de Jerônimo Leal Júnior sem saber que os agentes seriam policiais civis. O Estado não localizou a defesa de nenhum dos citados. 

Prisões decretadas

Quatro policiais paulistas, entre eles dois delegados, foram autuados por lavagem de dinheiro. Eles estão presos no Complexo Nelson Hungria, em Contagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.