Policiais são acusados de agredir quatro alunos em escola

Caso teria acontecido em fevereiro, mas só foi exposto nesta terça-feira, após reportagem com denúncia feita por pais e professores

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 21h45

A Polícia Militar instaurou sindicância para investigar o comportamento de policiais acionados para atender uma ocorrência em uma escola na zona norte de São Paulo. A ação, que também está sob apuração da Secretaria Estadual da Educação, teria terminado com a agressão de quatro jovens estudantes no interior da instituição.

Apesar de ter acontecido no dia 26 de fevereiro deste ano, o caso só foi exposto nesta terça-feira, 19, após reportagem da Rádio CBN. Pais dos alunos e alguns professores da Escola Estadual Dr. Genésio de Almeida Moura, no bairro da Brasilândia, estão denunciando o suposto abuso cometido dentro das instalações da unidade de ensino. 

De acordo com os denunciantes, golpes teriam sido desferidos contra os estudantes pelos policiais que atenderam ao chamado. A PM informou que foi registrado um boletim de ocorrência do caso - em que duas pessoas foram indiciadas por desacato e desobediência.

Não foi confirmado o motivo de a direção ter acionado a polícia na ocasião. Nesta terça-feira, 19, a reportagem do Estado esteve na frente da escola, mas teve o acesso negado ao interior da unidade e a direção preferiu não comentar as circunstâncias do caso.

A professora Sonia Regina Macedo, testemunha da ação, indignou-se em entrevista à rádio. “Eles entraram na escola, pegaram esses alunos, bateram nos alunos. Em meus anos de magistério, eu nunca vi isso que aconteceu lá naquela escola. Escola é para proteger o aluno. Isso é um absurdo”, disse.

Detalhes. Uma das vítimas, um garoto de 18 anos, também relatou detalhes das agressões. “Nós estávamos indo para o banheiro, eles (PMs) estavam no corredor e disseram que a gente não ia passar. Me deu um ‘rodo’ e bateu nos moleques.” 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.