Policiais matam cão e moradores se revoltam no interior de São Paulo

Em Bebedouro, houve confronto, rodovia foi fechada, ônibus apedrejados e carros incendiados na noite desta terça-feira, 5

Rene Moreira, Especial para O Estado

06 Agosto 2014 | 12h26

FRANCA - Confronto entre Polícia Militar e moradores, ônibus apedrejados, carros incendiados e muita confusão. Foi assim a noite desta terça-feira, 5, em Bebedouro, no interior de São Paulo, após policiais matarem um cão a tiros durante uma abordagem a um grupo de jovens. A ação desencadeou um tumulto que foi parar até na Rodovia Armando de Salles Oliveira (SP-322), que chegou a ser fechada pelos manifestantes.

Segundo a versão da PM, o policial teria atirado contra o cão, da raça pitbull, para se defender e porque o animal estava solto e seria muito feroz. O rapaz, assim como outras quatro pessoas envolvidas no tumulto, chegaram detidas e levadas à delegacia. A abordagem foi realizada no final da tarde porque policiais estariam à procura de um traficante, mas a confusão se estendeu noite adentro.

O saldo foram três veículos incendiados (um carro, um caminhão e um ônibus intermunicipal), além de outros quatro coletivos depredados, todos eles na rodovia e na região do bairro Residencial Bebedouro.

Policiais tiveram de usar bombas de efeito moral para dispersar o grupo de cerca de 30 pessoas. A Guarda Municipal, policiais rodoviários e policiais de Barretos ajudaram a controlar a situação e a dar cobertura para que os bombeiros pudessem conter o fogo.

Prejuízo. Policiais apreenderam pedras, rojões e até uma bomba caseira que estariam sendo usados nos confrontos. Somente com o ônibus incendiado, o prejuízo foi de R$ 270 mil.

Os envolvidos foram citados em ocorrência na delegacia e podem responder por incitação ao crime, danos e lesão corporal dolosa, já que o passageiro de um carro sofreu ferimentos leves durante a ação na rodovia. 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Bebedouro Cachorro Cão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.