Policiais em greve marcam protesto e Exército entra em alerta

Policiais civis de São Paulo recuaram, decidiram manter a greve e fazem ato na tarde desta quinta

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

23 de outubro de 2008 | 09h25

Em greve há 37 dias, policiais civis de São Paulo recuaram e decidiram manter a paralisação após terem sinalizado que um acordo poderia estar próximo. Nesta quinta-feira, 23, os grevistas farão um ato em frente à Assembléia Legislativa de São Paulo. Depois da manifestação que acabou em confronto com policiais militares na quinta-feira da semana passada, o Exército resolver colocar seus homens em alerta para que possam intervir caso haja algum enfrentamento entre as Polícias Civil e Militar.   Veja também: Policiais civis recuam e decidem manter greve em SP Governo eleva proposta para policiais após confronto em SP Todas as notícias sobre a greve          Na semana passada, representantes das duas corporações se enfrentaram nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes. O Comando do Exército afirma ter sido procurado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), que temeria um novo confronto. Procurada na noite da quarta-feira, 22, a SSP não confirmou o pedido.   A reunião dos policiais civis será na Assembléia, perto da sede do Comando Militar do Sudeste. Se for necessário empregar o Exército, a primeira tropa a mobilizar para a ação será a do Batalhão da PE (Polícia do Exército), que tem cerca de 800 homens. Mas pode haver reforço de outras unidades, como a própria Brigada de Infantaria Motorizada de Campinas, localizada a 100 km de São Paulo. Mas, para que o Exército seja empregado, é preciso que haja um pedido expresso do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), atestando a incapacidade do Estado de garantir a lei e a ordem.   Apesar do desgaste político de assinar tal pedido, Serra, segundo o Exército, estaria disposto a arcar com esse recurso para não ver a cidade se transformar em palco de um segundo conflito entre polícias em uma semana. Como o ministro Nelson Jobim (Defesa) e Serra se conhecem desde os tempos da Assembléia Constituinte e têm boa interlocução administrativa, podem resolver qualquer questão burocrática rapidamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.