Policiais em 'dívida' por manutenção terceirizada da frota

Para consertar o carro, policiais civis e militares recorrem a particulares e ficam em dívida com comerciantes

José Dacauaziliquá, do Jornal da Tarde,

03 de setembro de 2007 | 07h39

Policiais militares e civis reclamam que cada vez mais têm de recorrer a favores de oficinas particulares, desmanches e associações de bairro para manter os carros da frota em funcionamento e, assim, conseguir realizar o policiamento ostensivo e investigativo na capital. Essa prática faz com que a manutenção da frota fique em dia, mas ao mesmo tempo deixa o policial em "dívida" com quem forneceu a peça e com quem fez o reparo do veículo.  O presidente do Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo, João Rebouças, reclamou dos veículos mal conservados. "Por exemplo, como o investigador vai poder perseguir um criminoso se, de repente, a viatura não tem freio? A população fica com receio quando falamos que vamos parar para fazer greve. Mas a polícia vai parar, de verdade, quando o policial deixar de correr atrás de peças para viatura e deixar somente nas mãos do governo", disse Rebouças. Ele, no entanto, também condena a prática de se recorrer a favores para colocar os carros policiais nos eixos. Já o presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, cabo Wilson Moraes, fica dividido quando o assunto é consertar os carros por um esquema paralelo. "Não tem como aprovar essa prática porque o policial perde sua dignidade ao bater de porta em porta. Mas se ele não faz isso, a viatura fica encostada no pátio, o policial fica a pé e a população, sem policiamento." O cabo Wilson e Rebouças reconhecem que a polícia realiza parte da manutenção, mas acham que o processo é muito burocrático, o que leva o policial a procurar ajuda particular ou a própria comunidade se oferece. Enquanto o debate segue, a situação problemática é comprovada nas ruas e nas entrevistas feitas pela reportagem com policiais, que não se identificaram, por medo de represálias por parte de seus superiores. A prática não atinge apenas os bairros da periferia, mas também a região central e os bairros de área nobre. "O policial tem que 'correr o chapéu' em toda a cidade. A coisa está institucionalizada na polícia", contou um investigador. "É o que eu chamo de 'extorsão cívica'. O policial pede para a comunidade, que procura ajudar porque sabe que a situação da segurança pública é ruim e vai ficar pior se virar as costas", disse o deputado estadual Sérgio Olímpio Gomes, que atuou por 29 anos como oficial da Polícia Militar. "A ordem do comando vem da seguinte forma: se vira e arruma a viatura ou vai para o patrulhamento (ostensivo) a pé", disse uma PM, da zona leste. Um policial militar da Força Tática (equipe de elite) da zona oeste contou que teve de pagar com cestas básicas os reparos do veículo a um mecânico particular. Como o policial não tinha dinheiro, foi até o mercado onde fazia bico e pediu para o dono. Mas quando recorreu ao comércio, teve de retribuir o favor "com segurança particular": tinha de passar na frente da loja quando o proprietário fechava as portas. "O governo sabe que não dá para fazer cerimônia de entrega de peças (automotivas), como gosta de fazer quando entrega viaturas", disse o deputado. "E, por causa disso, o policial acaba de 'rabo preso' com comerciantes." Quando a comunidade está esgotada e não consegue mais bancar os consertos, os policiais apelam para o "canibalismo" de veículos. "Se tem duas viaturas quebradas, então a gente arranca a peça de uma e coloca na outra. Se depender do governo, a viatura demora meses para voltar para as ruas", disse outro PM - que trabalha em uma das oficinas da Corporação. Na Polícia Civil ocorre algo ainda pior. Os policiais contaram que, quando há necessidade, recorrem aos carros que são apreendidos e ficam nos pátios das delegacias e departamentos. Outros casos: » Em maio de 2005, um veículo do Grupo de Operações Especiais (GOE) foi perseguido por policiais militares na cidade de Barueri, na Grande São Paulo » Dentro, estavam o proprietário de uma oficina e dois amigos. Na verdade, um investigador do GOE tinha deixado o carro na funilaria de um amigo para que fossem realizados reparos de pintura » O proprietário pegou o carro e saiu para dar uma volta.  » Dentro do carro, foram encontrados latinhas de cerveja e um escudo balístico - que sempre é usado em operações policiais » Em maio de 2000, o Jornal da Tarde flagrou dois policiais do 78º Distrito Policial (Jardins) , que fica na zona sul da capital, do outro lado da cidade, na zona leste, comprando um motor de arranque para o carro policial que utilizavam  » Os policiais estavam na Avenida Rio das Pedras, em São Mateus, na zona zul, local de grande concentração de lojas de peças usadas  » Um deles disse que o carro estava com problemas no motor de arranque e "só pegava no tranco" » Eles deixaram o carro ligado sobre a calçada, com o freio de mão puxado, e disseram que o freio também estava com problemas.

Tudo o que sabemos sobre:
polícia de SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.