Policiais civis continuam greve e fazem passeata pelo centro

Secretaria diz que negocia com os grevistas, que rebatem afirmando que dados do governo são 'mentirosos'

da Redação,

23 de setembro de 2008 | 10h25

Policiais civis de São Paulo, em greve desde o dia 16, fizeram uma passeata na manhã desta terça-feira, 23, "contra a posição adotada pelo governo frente à paralisação". Os manifestantes planejam ir da sede da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp), na Avenida Ipiranga, até a Secretaria de Segurança Pública, na Rua Líbero Badaró, centro.   Na segunda, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo contestou as declarações pelos policiais civis durante entrevista coletiva. A SSP informou que o governo "está negociando há meses com a categoria, mas ela não estão aceitando a proposta".   Durante a coletiva, concedida na sede da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp), os policiais disseram que o governo não está negociando com eles e tem tentado manipular a imprensa, com "números mentirosos", com a intenção de colocar a sociedade contra os grevistas.   "Quando a gente vê o governo com essas posições intransigentes, colocando notícias ou meias-verdades no jornal, isso, na verdade, faz com que o policial fique cada vez mais com força nessa mobilização. E vamos continuar mobilizados e parados, enquanto o governo continuar com essa posição intransigente", disse André Dahmer, um dos coordenadores da greve e um dos diretores da Adpesp.   A secretaria se defendeu dizendo que "o governo sempre fala a verdade" e que não tem intenção de colocar a sociedade contra os policiais. "O governo está preocupado em garantir o atendimento da população", informou a assessoria de imprensa do órgão.   O governo paulista apresentou uma proposta de incluir na folha de pagamento do ano que vem R$ 500 milhões, o que representaria um reajuste de 7% para a categoria. As entidades, por sua vez, propuseram 15% para ativos e inativos, retroativos a março deste ano, mais 12% em 2009 e outros 12% em 2010. Como não houve acordo, os policiais civis estão em greve desde a última terça-feira, 16.   A Secretaria de Segurança Pública implantou um serviço de atendimento ao cidadão para reclamações, dúvidas, denúncias e esclarecimentos. O serviço está disponível pelo telefone (11) 3291-6500 ou pelo email seguranca@ssp.sp.gov.br.   (Com informações da Agência Brasil.)   Texto alterado às 13h41 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
greve da políciapoliciais civis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.