Policiais civis aderem à greve na região de Ribeirão Preto

Apenas casos graves como flagrantes, assaltos, roubos, seqüestros e homicídios são atendidos em São Paulo

Brás Henrique, de O Estado de S. Paulo,

16 de setembro de 2008 | 16h52

Policiais civis da região de Ribeirão Preto também aderiram à greve desta terça-feira, 16. "Todos estão no local de trabalho, normalmente, mas atendendo as ocorrências de natureza gravíssima, como flagrante, seqüestros, roubos, acidentes de trânsito com mortes, encontro de cadáveres, e outros casos são analisados pelos delegados, para não causar prejuízos à população", disse a presidente do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto (Sinpol), Maria Alzira da Silva Corrêa.   Veja também:  STF só permite greve mínima   Greve já atinge 10% das delegacias da capital, afirma sindicato   Em vários distritos faixas foram fixadas, anunciando a greve. Segundo Maria Alzira, existem cerca de 2.100 policiais civis em 93 cidades da região. A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) distribuiu nota geral sobre a negociação da greve e sem informações específicas sobre as paralisações por regiões do Estado.   Na capital, o sindicato afirmou que pelo menos 10% das delegacias estão com atendimento parcial, com 80% do efetivo trabalhando, por conta da greve. A paralisação, por tempo indeterminado, atinge também 65% das delegacias do Interior, segundo João Rebouças, presidente do Sindicato dos Investigadores de Polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
greve políciapolícia civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.