Policiais apreendem 238 quilos de cocaína em Pirituba

A polícia suspeita que a droga seja do PCC; droga seria distribuída em instituições penais

Oswaldo Faustino, do estadão.com.br

02 de novembro de 2007 | 18h21

Por meio de escutas telefônicas de conversas entre internos de vários presídios, policiais da zona leste da capital, souberam que na última quinta-feira, 1, haveria uma entrega de cocaína para ser distribuída em instituições penais. A policia suspeita que a droga seja do Primeiro Comando da Capital, o PCC.   Depois de um dia inteiro de espreita, conseguiram apreender cerca de 28 quilos da droga e prender dois traficantes.   A "campana" teve início por volta das 7 horas da manhã. Disfarçados, investigadores passaram o dia nas redondezas, observando a casa indicada nos telefonemas. Passavam alguns minutos das 22 horas, quando parou em frente à residência um auto Fiat Pálio, dirigido por Mário Henrique Ribeiro de Oliveira, de 28 anos, e Reinaldo Francisco Ribeiro, o "Caju", de 31, saiu da casa para receber a encomenda. Só então os investigadores puderam se aproximar e abordaram a dupla. O carro foi revistado e, a princípio nada foi encontrado. O esconderijo era o porta-luvas, dentro do painel do carro. Ali havia 28 tijolos de cocaína, pesando cerca de 1 quilo cada.   A dupla não admitiu que a droga pertença ao PCC. Mas, pelas gravações, os policiais souberam que estava num outro local e que seria remanejada para aquele endereço. Ali seria feita a divisão para que fosse encaminhada para vários presídios. A operação Foi comandada pelo delegado assistente do 24º DP, Renato Batista de Oliveira, que presidiu a autuação em flagrante dos dois. Conforme a Divisão de Vigilância e Capturas da Polícia Civil, apena "Caju" já tem passagem na polícia. Mário Henrique nunca esteve preso. Ambos foram encaminhado à carceragem da delegacia de Vila Jacuí, de onde deverão ser removidos para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Guarulhos.

Tudo o que sabemos sobre:
CocaínaPiritubapoliciais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.