Divulgação/Polícia Civil
Divulgação/Polícia Civil

Policiais acusam delegado de 'odiar PM'; ouça áudios

Militares de diversos batalhões cercaram delegacia para prestar apoio a sargento da PM preso em flagrante sob suspeita de tortura

Alexandre Hisayasu e Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2015 | 19h56

SÃO PAULO - Policiais militares de São Paulo trocaram mensagens de WhatsApp em que acusam o delegado Raphael Zanon de "odiar a PM" e convocam "irmãos de farda" para o 103º Distrito Policial (Itaquera), na zona leste da capital, na noite desta terça-feira, 20. No local, o sargento Charles Otaga, de 41 anos, foi preso em flagrante sob suspeita de tortura, abuso de autoridade e lesão corporal contra um assaltante.

Em um dos áudios obtidos pelo Estado, os policiais afirmam que o delegado está "todo estressadinho". O motivo, dizem os PMs, seria o "ciclo completo de polícia", quando uma força policial pega a ocorrência do começo ao fim, em discussão no Congresso, e a Resolução 57/15, da Secretaria de Segurança Pública, que determina a rápida liberação dos PMs em casos de flagrante.

"Esse delegado aqui do 103 está doido da vida com a PM por causa do ciclo completo de polícia. Está todo estressadinho. E por causa da Resolução 57. Toda ocorrência que é levada para ele, ele quer inverter contra os 'mikes' (termo usado para PMs)", diz um dos áudios.

O sargento Otaga foi autuado em flagrante após o suspeito Afonso de Carvalho Oliveira Trudes, de 23 anos, preso por roubar R$ 60 e o celular em um assalto a uma loja de sapatos em Itaquera, declarar que foi torturado com socos, choques na costela, pênis, bolsa escrotal e pescoço. O suspeito também disse ter sido ameaçado de morte com uma faca pelo PM.

O laudo da Polícia técnico-científica aponta que o assaltante sofreu agressões corporais de natureza leve, provocadas por agente contundente, mas o PM nega as acusações de tortura. Outros dois policiais, que participaram da prisão de Trudes, são investigados.

Em protesto, PMs de diversos batalhões foram com trajes civis até o 103° Distrito Policial (Itaquera) e cercaram a delegacia para prestar apoio ao colega e criticar o delegado do caso. "Você entra até no Facebook aí, ele declara que odeia a PM, entendeu? Então, está mostrando as garras dele aqui, advogando pra ladrão."

"Ô, pessoal, agora é a hora da gente se unir, entendeu? E defender os nossos. Porque o 'charlie' (policiais civis) só quer fritar a gente", diz um dos PMs.


Tudo o que sabemos sobre:
São PauloViolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.