Polícia vai reconstituir tumulto no rodeio de Jaguariúna

Na confusão, 4 pessoas morreram; organização do evento divulgou que não vai remarcar os shows cancelados

28 Maio 2009 | 12h07

A Polícia Civil de Jaguariúna deve fazer às 13h desta quinta-feira, 28, a reconstituição do tumulto que resultou na morte de quatro jovens na madrugada de sábado no rodeio. As testemunhas ouvidas nesta semana deverão comparecer ao local. Na terça, a organização do rodeio divulgou que não vai remarcar os shows cancelados.

 

Veja também:

linkSaiba como fazer para trocar seu ingresso

 

As imagens gravadas pelo circuito interno de segurança indicam a possibilidade de um confronto entre duas gangues ter provocado a confusão. A briga entre os grupos teria começado em um dos corredores que dava acesso à arena do complexo de eventos.

 

O secretário de Comunicação de Jaguariúna, José Orlando Dutra Santos, disse que as imagens foram disponibilizadas para a comissão formada por representantes do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Corpo de Bombeiros, que ajudará nas investigações. "Eu tive informação de que realmente foi isso que aconteceu, o enfrentamento de duas gangues. Só não posso garantir, porque não vi as imagens." A comissão esteve no local do acidente anteontem. O prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis, que responde pelo grupo, não foi localizado para comentar o assunto.

 

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o tumulto começou em um dos corredores que dão acesso à arena, próximo do palco, por volta de 2 horas, quando um grupo de pessoas tentava entrar e outro, sair do show. A confusão teria durado aproximadamente dois minutos.

 

Diferentemente do que ocorria nos anos anteriores, a segurança interna do evento foi feita por uma empresa particular. A assessoria do evento não soube informar o número de homens responsáveis pela segurança no local nem o motivo da mudança no sistema. A Polícia Militar - que em anos anteriores trabalhou dentro e fora do evento - ficou responsável somente pela segurança externa nesta edição.

 

A organização informou que havia cinco acessos diferenciados (com entrada e saída) para o público que estava na arena, quatro acessos para a ala VIP e outros quatro para cada um dos camarotes. Além disso, o tamanho das passagens e toda a estrutura do evento estariam de acordo com as exigências do Corpo de Bombeiros e do Crea, segundo a assessoria do evento. A capacidade do complexo era para 30 mil pessoas. No dia do acidente, havia 27,2 mil visitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.