Polícia tem imagens de 5 ladrões do MorumbiShopping

O Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado (Deic) recebeu ontem imagens do circuito interno de segurança do MorumbiShopping que mostram cinco dos seis homens que roubaram a joalheria Dryzun, no piso térreo do centro comercial, na zona sul de São Paulo.

Plínio Delphino, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2011 | 00h00

O crime aconteceu na tarde de segunda-feira. Nenhum dos bandidos escondia o rosto. A polícia tenta identificá-los, verificando se os homens nas imagens têm envolvimento em casos anteriores investigados pelo Deic.

Ontem, quatro funcionários que trabalham no shopping foram ouvidos pela polícia. A joalheria Dryzun não abriu as portas. Segundo a polícia, ao menos 70% das joias do mostruário foram levadas pelos criminosos.

Os acusados aparecem em imagens congeladas e focadas em seus rostos. Um dos suspeitos aparenta ter 18 anos, é moreno, robusto, usa boné branco e mochila. Outro acusado é branco, tem cabelo comprido, aparenta 27 anos, usa óculos escuros e camisa social. Um terceiro assaltante, também branco, usa peruca de cabelos lisos e compridos. O quarto homem que aparece nas imagens é moreno, calvo e aparenta ter entre 25 e 30 anos. As câmeras de segurança também registraram imagens de um quinto suspeito, negro, filmado atrás do vidro de uma loja.

Pela idade dos suspeitos e pela ação chamativa e barulhenta, a polícia acredita que o bando não seja formado por criminosos experientes. Mas não descarta a participação dos bandidos em outros crimes do gênero.

Pânico. Por volta de 13h30 da segunda-feira, quatro integrantes da quadrilha invadiram o shopping e anunciaram o assalto na joalheria. Eles usaram uma marreta para destruir o mostruário e levaram as joias expostas.

Fizeram dois reféns para fugir. Dois criminosos davam cobertura fora do shopping. Os bandidos saíram atirando e houve pânico. Danificaram vitrine de outra loja e marcas de tiro também foram vistas na escada rolante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.