Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Polícia suspeita que atropelamento de zelador tenha acontecido em ciclovia

Um dia após dizer que o delito havia ocorrido na rua, delegado afirma que ciclista ‘pode ter se confundido’; reconstituição será nesta sexta-feira

Bruno Ribeiro e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2015 | 03h00

O delegado Lupércio Antônio Dimov, titular do 23.º Distrito Policial (Perdizes), que investiga o atropelamento e morte do zelador aposentado Florisvaldo Carvalho Rocha, disse nesta quinta-feira, 20, que o ciclista que atingiu a vítima “pode ter se confundido” ao dizer, em depoimento, que não estava na ciclovia, mas sim na rua, na hora do acidente. O crime ocorreu sob o Minhocão, em Santa Cecília, no centro, na tarde de segunda-feira. 

O posicionamento é diferente do que o delegado havia dito na quarta, quando deu as primeiras entrevistas sobre o caso. “Pode ter alguma confusão por parte dele. Devia estar na ciclovia, até porque não tinha como ele acertar a vítima se estava na rua”, declarou o delegado. Nesta quarta-feira, o policial não havia questionado o depoimento do administrador de empresas Gilmar Raimundo de Alencar, de 45 anos, condutor da bicicleta. O ciclista foi interrogado no começo da tarde. 

Defensora de Alencar, a advogada Juliana Alencar de Andrade Silva disse que não há nenhum novo elemento que justifique a desconfiança da polícia com relação às informações prestadas pelo administrador de empresas. “Nada mudou em relação ao depoimento oficial que ele já prestou.”

Alencar afirmou à polícia e a jornalistas que, no dia do acidente, voltava de um almoço no centro e havia entrado na Avenida General Olímpio da Silveira alguns quarteirões antes do ponto da colisão. Disse que, como já sairia da via, optou por não pegar a ciclovia, permanecendo na rua. 

Ele informou ainda que trafegou pela faixa da direita até o trânsito fechar, quando então mudou para a faixa à esquerda, exclusiva para ônibus. Foi nesse instante que Rocha apareceu em sua frente, sendo atingido. 

“Ele deve ter desviado da pilastra e atingido a vítima, não tem como ele estar na rua. Ele se confundiu”, insistiu o delegado, nesta quinta. Ele recusou acesso ao depoimento formal de Alencar. “Está sob sigilo”, afirmou.

Investigação. A reconstituição do caso está marcada para as 14 horas. Segundo o delegado, os peritos farão um tipo de laudo chamado Croqui Dinâmico do Evento, que verificará as informações prestadas pelo ciclista. O ciclista confirmou que participará da reconstituição e levará sua bicicleta – que não ficou danificada no acidente. À polícia, o administrador teria afirmado que acreditava estar a uma velocidade de cerca de 20 km/h. “É a perícia que vai dizer como foi o atropelamento. Ele (Alencar) vai lá, é fotografado, e os peritos analisam”, explicou Dimov.

A Polícia Civil pretende ouvir, também amanhã, outras duas pessoas: o filho de Rocha e a síndica do prédio em que o zelador aposentado vivia. 

Estatística. Na manhã desta quinta-feira, durante reunião do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT), o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, declarou que, não fosse a cobertura da imprensa e a manifestação da população nas redes sociais sobre o caso, a morte de Rocha seria “mais um atropelamento na cidade, como acontece todos os dias”. 

“Teve essa repercussão toda primeiro porque foi um idoso, segundo porque foi um ciclista, terceiro porque tem uma ciclovia embaixo do Minhocão. Não fosse isso, seria mais um noticiário de rodapé que a gente vê, infelizmente”, disse o secretário, completando o raciocínio dizendo que “ia virar um número”, não fosse a repercussão. 

A ciclovia vem sendo criticada por haver pontos cegos que trariam insegurança. O secretário afirmou também que a Prefeitura “não vai se conformar” com o acidente.

“Temos de buscar mecanismos para que isso não aconteça mais.” Para Tatto, uma série de fatores levou à colisão do ciclista com o idoso. Tatto diz acreditar que, antes da política de implementação de ciclovias na cidade de São Paulo, os ciclistas eram “invisíveis”. “Eles existiam, mas as pessoas faziam conta de que não.”

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloMinhocãociclovias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.