Polícia solicita imagens do Metrô para identificar agressores

Casal gay foi espancado no interior de trem da Linha 1-Azul, entre as Estações Tiradentes e Luz, por cerca de 15 homens no domingo

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2014 | 13h21

SÃO PAULO - A Polícia Civil solicitou as imagens de câmeras das plataformas da Linha 1-Azul, do Metrô, para tentar identificar os suspeitos de terem espancado um casal gay dentro de uma das composições. Como o trem pertence a uma frota antiga e, por isso, não tem circuito interno de segurança, os policiais terão de cruzar informações, como horário e número do trem, para tentar chegar até os agressores.

Segundo o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, titular da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur), que registrou o caso, as vítimas também serão convocadas para tentar identificar os suspeitos a partir de fotografias de pessoas envolvidas em casos anteriores. "Já existe um levantamento das pessoas que atuam nesse sentido (homofobia)", disse o delegado. As investigações vão ser conduzidas pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi).

O caso aconteceu na tarde do último domingo, 9, quando cerca de 15 homens espancaram o metroviário Danilo Putinato, de 21 anos, e o bancário Raphael Martins, de 20. De acordo com as vítimas, as agressões começaram após o bando mandar que o casal parasse de se beijar e se retirasse do trem. Após negar as exigências, o casal foi expulso a socos, pontapés e empurrões da composição.

À reportagem do Estado, Putinato contou que as agressões duraram cerca de três minutos, tempo que o trem levou para se deslocar entre as Estações Tiradentes e Luz, no sentido Jabaquara. Ele disse ainda que o grupo havia embarcado na Estação Armênia. Os agressores teriam xingado os dois de "viadinhos", "bichinhas" e que "deveriam ter respeito".

Atingidos no rosto e no corpo, Martins teve o nariz quebrado e Putinato não sofreu ferimentos graves. Os dois receberam os primeiros socorros de agentes do Metrô e foram levados para a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, na região central.

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôSão PauloViolênciaHomofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.