Polícia responsabiliza 9 por tumulto no carnaval

Integrante da Império de Casa Verde e presidentes da Vai-Vai e da Pérola Negra estão entre os acusados; 3 foram indiciados por atear fogo em carro

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

22 Março 2012 | 03h01

Nove pessoas foram responsabilizadas pelo tumulto durante a apuração do carnaval, dia 21 de fevereiro, no sambódromo do Anhembi, em São Paulo. O inquérito foi concluído na terça-feira e apresentado ontem pela Polícia Civil. Entre os acusados, estão dois presidentes de escola de samba. Foi aberto também inquérito para apurar uma possível relação entre as agremiações e o crime organizado.

Integrante da Império de Casa Verde, o modelo Tiago Faria, de 29 anos, foi indiciado por dano ao patrimônio e supressão de documento. Foi ele quem saltou a grade e rasgou o papel onde estavam as duas últimas notas, interrompendo a apuração. Integrante da Gaviões da Fiel, Cauê Santos Ferreira, de 20 anos, também foi indiciado pelos mesmos crimes. Os dois chegaram a ficar detidos por três dias, mas pagaram fiança de R$ 12.500 e responderão em liberdade.

Alexandre Cabrino Salomão, diretor da Camisa Verde e Branco, e Washington Alessandro Campos, da mesma escola, foram indiciados por supressão de documento. Imagens de televisão mostraram que eles subiram ao palco e jogaram as notas para o alto, logo após Faria ter dado início à confusão.

Fogo. Foram indiciados por incêndio o segurança Edinei Moraes Sarmento, de 35 anos, o serralheiro Luciano Zacarias, de 39, e o supervisor de vendas Tiago Henrique do Nascimento, de 22. Integrantes da Gaviões, eles são acusados pela polícia de ter ateado fogo a um carro alegórico da Pérola Negra na dispersão do sambódromo.

O presidente da Vai-Vai, Darly da Silva, o Neguitão, e o da Pérola Negra, Edilson Carlos Casal, vão responder por provocar tumulto. Segundo o delegado Luiz Fernando Saab, da Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur), a conclusão do inquérito atende ao que pedia a sociedade. "No começo, falamos que a sociedade teria uma resposta à altura. Está aí o resultado", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.