Polícia reforça contingente para aumentar segurança no litoral

Durante Operação Verão, mais 2,2 mil policiais civis e militares, incluindo bombeiros, ficam nesta região de SP

Rejane Lima, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2010 | 15h55

 Selo-Verao

SANTOS - Desde o último dia 28 de dezembro, o litoral paulista está com mais 1. 500 policiais militares e 700 policiais civis para atuar na Operação Verão. O reforço vai até o final do carnaval. A Polícia Federal também receberá mais homens para atuar no terminal de passageiros do Porto de Santos, porém esse número não foi revelado. Haverá ainda reforço de equipamentos das polícias, bombeiros e guardas municipais, com mais viaturas e outros dois helicópteros, além do já existente.

 

De acordo com o Subcomandante da Polícia Militar na região, coronel Sergio Del Bel, férias e folgas foram suspensas e 100% do efetivo da PM trabalhou durante a passagem do ano, principalmente na orla da praia. "Há uma ação pontual da Polícia Militar. As abordagens as pessoas de moto e bicicleta vai aumentar de 20 a 30%", disse Del Bel, afirmando que a medida deve diminuir o número de assaltos.

 

Entretanto, o coronel afirma que assaltos e furtos, comuns na temporada, são considerados "crimes de oportunidade" e que os bandidos escolhem suas vítimas de acordo com a facilidade da ação. "Geralmente as vítimas são pessoas distraídas, que ficam ostentando objetos caros e deixam bolsas e celulares a vista dentro dos carros", disse o coronel, afirmando que as medidas de Segurança Pública vão além da ação da polícia e estão muito relacionadas ao comportamento das próprias pessoas e a atuação das prefeituras.

 

Sob essa ótica, a Prefeitura de Santos resolveu prolongar a iluminação das 68 torres de luz que ficam na areia até as 3 horas da madrugada (antes eram desligadas a meia-noite). Os banheiros da orla vão ser trancados nos mesmos horários, já os chuveirinhos serão desligados sempre a meia-noite.

 

"Para atender aquele pessoal que joga futebol, vôlei, e que acaba mais ou menos 23h", explicou o Prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa (PMDB). Segundo ele, as medidas, foram muito bem estudadas. "Deveriam ter sido adotadas há muito tempo, para preservar a tranquilidade dos moradores da orla e a segurança dos turistas e munícipes", explicou o prefeito, completando que a restrição de horário será por tempo indeterminado.

 

Atualizado às 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.