Polícia recupera peças furtadas do museu do Ipiranga

A Polícia Civil recuperou na última semana parte das 889 peças furtadas do setor de moedas antigas do museu do Ipiranga, avaliadas em R$ 100 mil. O material foi levado por dois colecionadores, que compraram moedas, cédulas e títulos do tesouro de um desconhecido há mais de três meses - dois meses antes do museu perceber o golpe.   "Isso prova que as peças não foram furtadas de uma vez, trata-se de um crime continuado, que já vinha ocorrendo há meses", disse o delegado titular do 17º Distrito Policial, Marcio Bicudo Tosatti, responsável pela investigação do caso. "Continuamos suspeitando dos funcionários e também de estagiários que trabalharam há pouco tempo no museu, mas já não estão mais lá", continuou o delegado.   O primeiro colecionador comprou 16 cédulas nacionais, de 5 mil a 200 mil réis, e pagou R$ 300 por elas, na feira de fim de semana na praça Benedito Calixto. O outro gastou R$ 4 mil em um medalhão, quatro medalhas, ações da Companhia Paulista de Estrada de Ferro, bônus do Tesouro do Estado de São Paulo e 38 cédulas de 500 réis a 100 mil réis. Ao todo, o material representa menos de 10% do que foi levado do museu do Ipiranga, mas deixou o delegado animado com mais colaborações.   "O catálogo do que foi furtado foi disponibilizado no site da Associação dos Numismáticos na quinta-feira e dois já devolveram o que tinham, por iniciativa própria. O material tem valor histórico, mas no mercado não vale tanto e ninguém quer ter algo que há divulgação que é de propriedade de um museu", justificou.   Segundo o delegado, a descrição dos colecionadores do vendedor do material devolvido é semelhante e não bate com nenhuma foto dos funcionários suspeitos do furto. "Sinal de que alguém de fora participou do crime", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.