Polícia recupera materiais roubados da USP

Computadores, impressoras, rádios de comunicação e até uma câmera de vigilância estavam em favela próxima

Daniela do Canto, da Central de Notícias,

15 de setembro de 2009 | 02h38

A Polícia Militar localizou na noite desta segunda-feira, 14, diversos equipamentos roubados da Universidade de São Paulo (USP) na madrugada do último domingo. Os computadores, impressoras, rádios de comunicação e uma câmera de vigilância estavam na Favela São Remo, na zona oeste de São Paulo. Um Honda Fit roubado de um universitário na ocasião também foi recuperado no local. Agnaldo Aparecido de Moraes, de 21 anos, foi preso por receptação.

 

Policiais do 4º Batalhão da Força Tática faziam um patrulhamento pela favela quando perceberam que um grupo correu ao notar a presença das viaturas, por volta das 18 horas. Em uma busca, encontraram na casa onde mora o preso, dois monitores, dois rádios de comunicação, uma câmera de vigilância e a coronha de uma arma longa.

 

Segundo informações da PM, Moraes afirma não ter participado do roubo à universidade. Ela alega que apenas guardava os equipamentos para um primo, identificado como Danilo e um amigo, conhecido como Jaiminho. O tenente Fernando Calvo Bueno explicou que os outros dois suspeitos estavam na residência, mas perceberam a chegada da polícia, pularam o muro e conseguiram fugir.

 

Pouco mais tarde, policiais do Setor de Investigações Gerais (SIG) Oeste receberam uma denúncia de que o restante dos equipamentos roubados da universidade estava na favela. Ao voltarem, os policiais encontraram mais computadores, impressoras e multifuncionais dentro do Honda Civic.

 

Conforme o tenente Bueno, o roubo à USP foi praticado por um bando de seis a sete homens que renderam vigias da universidade e saquearam um dos prédios. Os equipamentos e o carro recuperados foram levados ao 14º Distrito Policial (Pinheiros), onde o caso foi registrado. Moraes foi preso em flagrante por receptação.

Mais conteúdo sobre:
Uspladrões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.