Polícia procura bando que rouba Rolex na região do Itaim-Bibi

Quadrilha usa carros de luxo e importados para abordar vítimas em cruzamentos e até em valet de shopping

CAMILLA HADDAD , JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

16 Março 2012 | 03h02

A polícia procura uma quadrilha especializada em roubar relógios da grife Rolex na região do Itaim-Bibi, na zona sul. Ao abordar as vítimas, os ladrões utilizam carros de luxo com placas clonadas. Imagens de um dos suspeitos foram divulgadas ontem no 15.º Distrito Policial (Itaim-Bibi). Nas cenas, um assaltante aparece armado no valet de um shopping e rende o motorista de um BMW.

Pelo menos seis pessoas já tinham sido alvo do mesmo bando, ao longo das Avenidas Faria Lima e Rebouças. O motorista do BMW foi abordado por um homem que desceu de um Hyundai Veracruz. O ataque, por volta das 14 horas, foi filmado pelas câmeras do shopping.

Em outra ação do grupo, em 29 de janeiro, um publicitário foi rendido quando deixava uma padaria, na Rua João Lourenço, na Vila Nova Conceição. A vítima contou aos policiais que um homem estava em um Hyundai Santa Fé e exigiu seu relógio. "Tira o Rolex. A gente sabe que é quente", teria dito o assaltante. Após levar o acessório, o homem mandou a vítima sair sem olhar para trás.

No último domingo, dia 11, um empresário em um Porsche passava pelo Itaim-Bibi quando foi cercado por um carro escuro. Ele conseguiu acelerar e fugir, mas o carro foi atingido por um tiro. Ninguém ficou ferido.

O delegado Paul Henry Verduraz, titular do 15.º DP, explica que o uso de carros importados pelos assaltantes é uma forma de não levantar suspeita da vítima. "Eles usavam um Hyundai Veracruz prata e ultimamente vêm usando um Volkswagen Tiguan preto", diz.

Os crimes têm ocorrido há cerca de seis meses e são mais frequentes nas tardes de sábado e domingo. A polícia orienta a não ostentar relógios de ouro e joias no trânsito e espera que, com a divulgação das imagens, os bandidos possam ser localizados. Quem tiver outras informações pode procurar a delegacia. A PM mantém base fixa na região, além de motos, equipes da Força Tática e 80 policiais da Operação Delegada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.