DAS/Polícia Civil
DAS/Polícia Civil

Polícia prende 3 suspeitos que usavam máquina de débito em sequestros na zona sul

Equipamento tornava mais ágil ação da quadrilha, que acabou identificada pelos investigadores. Prejuízo de duas vítimas superou os R$ 130 mil

Alexandre Hisayasu e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2017 | 19h21

SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta segunda-feira, 15, três suspeitos de integrar uma quadrilha responsável por ao menos dois sequestros-relâmpago na região do Morumbi, zona sul da capital. Os homens contavam com uma máquina portátil para cartões de crédito e débito, onde, com a vítima sob ameaça, realizavam transações. O prejuízo inicial estimado é de mais de R$ 130 mil. 

A investigação foi realizada pela Delegacia Antissequestro (DAS), do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Nesta segunda, foram presos temporariamente por suspeita de extorsão qualificada e roubo Paulo Rodrigo Marino Silva Viana, de 28 anos, Antonio da Conceição Silva, de 38, e Jean Eduardo Barbosa, de 22. É considerado foragido um quarto suspeito: Aldenis da Silva Galiza, de 31 anos.

De acordo com a apuração policial, o grupo costumava sequestrar vítimas na rua, forçando-as a entrar no veículo usado pelo bando. Lá, enquanto andavam pela cidade, cartões bancários e senhas eram obtidos pelos suspeitos que, no mesmo local, realizavam transações bancárias com o auxílio de uma máquina de crédito e débito que já estava em posse dos homens. Em dois casos apurados, o prejuízo passou de R$ 130 mil. 

A polícia rastreou as transações e chegou ao proprietário da máquina: Paulo, proprietário da  B2B eventos, não tinha antecedentes criminais. Na operação desta segunda, um dos cartões das vítimas foi encontrado em posse de um dos suspeitos. Os homens foram reconhecidos por testemunhas. A polícia disse acreditar que o bando pode estar envolvido com outros registros de crimes semelhantes na região. 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Morumbi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.