Polícia prende suspeito de participar de linchamento de dona de casa no Guarujá

Uma denúncia anônima levou a Polícia Civil à prisão do primeiro acusado de participar do linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, no Guarujá, na Baixada Santista. Ela morreu anteontem, depois de ter sido espancada por mais de 2h no sábado, quando foi acusada de sequestrar crianças e usá-las em rituais de magia negra. A agressão foi motivada por um boato divulgado em uma rede social. Ontem, o corpo de Fabiane foi enterrado entre gritos por justiça.

BRUNO RIBEIRO , ENVIADO ESPECIAL/ GUARUJÁ, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2014 | 02h02

O eletricista Valmir Dias Barbosa, de 47 anos, foi preso ao lado de casa, no bairro Morrinhos, perto de onde Fabiane foi atacada. Segundo a polícia, ele já foi identificado em imagens divulgadas na internet. A Justiça decretou a prisão preventiva do acusado. De acordo com o delegado Cláudio Rossi, que atua nas investigações, outros cinco suspeitos também foram identificados. "A prisão deles agora é uma questão de tempo", afirmou o policial.

Barbosa foi obrigado a conceder uma entrevista coletiva na Delegacia Seccional do Guarujá, no centro da cidade, três horas após ser preso. "Também tenho filho, achei que (o boato) fosse verdade", disse. Ele, porém, não deu detalhes sobre o crime.

Barbosa disse apenas que não responderia a outras perguntas. Ficou em silêncio por um minuto e, em seguida, virou de costas. Foi repreendido por um policial que disse que ele deveria "ser homem" e assumir o que fez. À polícia, ele informou que mais de cem moradores de Morrinhos, onde vivia Fabiane, participaram do linchamento.

Rede social. Fabiane foi agredida após um suposto caso de sequestro de crianças para rituais de magia negra ser publicado na página Guarujá Alerta no Facebook. No entanto, nenhuma criança desapareceu no Guarujá, segundo a polícia.

Apontado como autor do boato, o responsável pelo perfil, cuja identidade está sob sigilo, prestou depoimento. "Ele não será indiciado por enquanto", disse Luiz Ricardo Lara Dias Junior, delegado responsável pelas investigações e titular do 1.º Distrito Policial de Vicente de Carvalho. O homem é visto como testemunha.

Ele disse ter publicado informações sobre o boato no dia 29 de abril. Contou que postou reportagens de casos semelhantes. Afirmou, no entanto, que a foto foi publicada por um seguidor. "Conseguimos os perfis das pessoas que enviaram as imagens", disse o delegado.

Enterro. O corpo de Fabiane foi enterrado às 10h15 de ontem no Cemitério Jardim da Paz, no Guarujá, sob forte comoção. Cerca de 200 pessoas acompanharam a cerimônia. Parentes e amigos seguiram em passeata pelas ruas de Morrinhos. "Confundir uma Bíblia com um livro de magia negra é o fim do mundo. Mataram uma pessoa inocente", dizia um dos cartazes.

Os participantes fizeram uma oração e cantaram músicas religiosas. Uma das pessoas mais emocionadas era Maria José Dias. "Era uma alma boa, incapaz de fazer mal", afirmou a vizinha. / COLABOROU ZULEIDE DE BARROS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.