Polícia prende sete em operação no litoral de São Paulo

Ação para terminar de cumprir mandados de prisão prendeu o traficante Robinho e um adolescente

Rejane Lima, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2008 | 20h00

Uma operação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas terminou com sete pessoas presas nesta segunda-feira, 7, em Santos, no litoral de São Paulo, três delas em flagrante e quatro por mandados de prisão. Entre os detidos, estava o traficante Gustavo Luis Machado, conhecido como Robinho, e um menor de apenas 12 anos, portando 32 tabletes de maconha e quatro pedras de craque. A ação aconteceu nos morros do São Bento e Penha, onde foram apreendidos quase 10 quilos de maconha e um binóculo.   Planejada na última sexta-feira, a ação coordenada pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG), com o apoio da Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes (Dise) e do Grupo de Operações Especiais (GOE), começou às 6 horas e levou 50 homens aos morros São Bento e Penha, na região central.   De acordo com o delegado assistente da DIG, Marcelo Gonçalves da Silva, o objetivo da operação era terminar de cumprir os 18 mandados de prisão, trabalho iniciado em 7 de junho, quando o criminoso Carlos Alberto Aparecido Oliveira de Carvalho, conhecido como Peixe Raia, foi preso no morro do São Bento. Membro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), Peixe Raia era fugitivo da Penitenciária de Getulina (SP) desde janeiro de 2006. Condenado a 15 anos de detenção por homicídio, tráfico de drogas, roubo e lesão corporal, o criminoso comandava o crime no morro santista.   O delegado afirma que desde a prisão de Peixe Raia, em 7 de junho, outras 11 pessoas envolvidas diretamente ou indiretamente com a venda de entorpecentes foram presas na cidade. Segundo Silva, a operação foi considerada um sucesso porque criminosos foram presos sem que não tenha havido troca de tiros ou feridos. "A Polícia Civil sempre estará agindo. Nós estamos monitorando todos os morros da cidade para que a ordem seja mantida", afirmou.   Roubo de Cargas   No último sábado, os policiais da DIG que trabalham na divisão do Roubo de Cargas recuperaram 160 toneladas de sal da Carbocloro, indústria química de Cubatão, e prenderam quatro motoristas envolvidos com o furto. A quadrilha estava sendo investigada há pelo menos três meses e a prisão aconteceu após os investigadores terem perseguido, em viaturas descaracterizadas, quatro carretas até Osasco, na Grande São Paulo, onde a mercadoria desviada seria armazenada.   Segundo Silva, que coordena a divisão, a polícia investiga o envolvimento de dois funcionários da empresa com o crime. "Motoristas estão achando que não vão presos, mas estão todos sendo monitorados e outras pessoas vão ser presas, tanto os que executam o crime, no caso os caminhoneiros, como quem os planeja, além dos receptadores", completou o delegado.

Tudo o que sabemos sobre:
políciaoperaçãotráficoSantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.