Polícia prende sequestradores e liberta corretora na zona leste de SP

Criminosos agiram na avenida do Cursino e pediram R$ 300 mil de resgate

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

07 Maio 2011 | 04h05

SÃO PAULO - Dois sequestradores foram presos, no final da noite desta sexta-feira, 6, quando mantinham refém, na zona leste de São Paulo, uma corretora de imóveis, de 51 anos, que estava em poder dos criminosos desde a noite de quinta-feira, 5. O marido dela, um comerciante de 43 anos, foi liberado pela quadrilha na manhã de sexta-feira com a promessa de ter a esposa de volta caso conseguisse uma quantia de R$ 300 mil.

O casal foi dominado pela quadrilha na noite de quinta-feira quando trafegava em uma picape Volkswagen Montana vermelha na avenida do Cursino, região da Saúde, zona sul da cidade. Colocadas em um Gol branco, as vítimas foram levadas para um cativeiro, de onde o comerciante foi liberado com a incumbência de conseguir o valor para o resgate. Imediatamente ele procurou a polícia e registrou queixa no 16º Distrito Policial, da Vila Clementino.

Por volta das 23 horas desta sexta-feira, policiais militares do 28º Batalhão, em patrulhamento pela rua Jaime Ribeiro Wright, região da Cohab José Bonifácio, zona leste, desconfiaram de dois homens que estavam ao lado de um Gol branco. Ronaldo Teixeira de Carvalho e Gláucio Gilabel Lopes, ambos de 26 anos, mantinham a corretora deitada no banco traseiro do carro e confessaram a participação no crime, afirmando que apenas tomavam conta da refém.

Ocupantes de um Fiat Pálio preto, que estava próximo ao Gol, ao verem os comparsas serem abordados, deixaram o local, conseguindo escapar das demais viaturas que foram acionadas em apoio aos policiais que interrogavam a dupla detida. A picape do casal foi localizada minutos depois pela PM no suposto cativeiro por onde as vítimas passaram, na rua Alexandre Davidenko, região de Cidade Tiradentes, também na zona leste.

Nenhuma arma foi apreendida com Ronaldo e Gláucio, cuja quadrilha que integram, segundo a polícia, deve ser formada por pelo menos sete pessoas. O flagrante foi registrado na Delegacia Antissequestro (DAS).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.