Polícia prende quatro envolvidos no arrastão no Itaim-Bibi

Ex-porteiro do prédio ajudou criminosos, afirma polícia; grupo é responsável por arrastão em Moema em abril

16 de agosto de 2012 | 11h38

SÃO PAULO - Quatro participantes do arrastão que aconteceu na última terça-feira, 14, no Edifício Icaraí do Itaim-Bibi, foram presos na tarde da última quarta, 15. As capturas aconteceram ao longo do dia e a polícia ainda procura o quinto envolvido no assalto. Entre os presos está um ex-funcionário do condomínio.

O crime teve início ainda durante a madrugada de terça, quando o grupo invadiu o prédio, localizado na Rua Doutor Andrade Pertence, no bairro nobre da capital paulista.

Os cinco homens armados renderam moradores do edifício, entre eles uma criança de 12 anos.

Durante cerca de seis horas, eles roubaram dinheiro, joias e notebooks. Na data, todos fugiram por volta das 8h30 da manhã.

As investigações são conduzidas na 4ª Delegacia do Patrimônio (Delegacia de Investigações sobre Furtos e Roubos a Condomínios) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

De acordo com agentes civis da delegacia, o grupo já era investigado há três meses, quando realizaram ataque semelhante em um edifício na Avenida Divino Salvador, em Moema, no dia 30 de abril. Neste assalto, os bandidos também roubaram objetos de valor, equipamentos eletrônicos e dinheiro.

Dois dos detidos, Tiago da Silva Lira e o office-boy Jocimar Fernandes de Lima, o Gordão, ambos de 25 anos, foram encontrados na região da Ponte Rasa, na zona leste de São Paulo. A dupla mantinha um ponto de venda de drogas na Rua Aricá Mirim.

O terceiro envolvido, o ajudante Cléber Flores, de 24 anos, foi encontrado na Rua Quirino de Andrade, no bairro da República, centro da capital. Já o ex-funcionário do prédio, Fábio Luis Sobral dos Santos, de 34 anos, conhecido como Bodão, foi preso na Rua João Batista de Lacerda, no Belém, zona leste.

Santos foi porteiro do condomínio e auxiliou no arrastão com informações sobre os moradores do local, conta o delegado responsável pelas investigações, Mauro Fachini.

A equipe recuperou algumas joias e objetos roubados durante o crime de terça. Todo o material encontrado foi devolvido às vítimas, mas, de acordo com a polícia, os criminosos conseguiram vender a maioria dos pertences dos moradores.

Todos os detidos apresentavam passagens por envolvimento com tráfico e consumo de drogas. Os quatro homens foram reconhecidos por testemunhas e moradores do edifício.

O delegado Fachini afirma que as apurações permitiram a descoberta de um esquema de falsificação de documentos de identidade mantido pela quadrilha.

Em julho, um dos integrantes, identificado como Alexandre Ferreira da Silva, de 33 anos, chegou a ser preso com documento de identificação falsa. Silva exercia função de liderança em uma facção criminosa.

O arrastão no Edifício Icaraí foi o 20.º ataque a condomínios registrado na capital paulista apenas durante este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.