Polícia prende quadrilha acusada de 50 roubos a banco

Quatro acusados de participação no grupo e o vigia de uma agência foram detidos na saída de um assalto, no centro

MARCELO GODOY, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2011 | 03h03

Uma informação sobre o plano de assaltar um banco no centro de São Paulo recebida por policiais civis levou à prisão a maior e mais ativa quadrilha de ladrões de banco que agia no Estado. Entre os cinco presos está um dos líderes do bando: o marceneiro William Bruno Barbosa da Silva, o Di Menor, de 24 anos. "Temos provas de que ele participou de pelo menos 50 assaltos", disse o delegado Nelson Silveira Guimarães, diretor do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic).

O bando havia decidido assaltar uma agência do banco Santander, na esquina da Rua Guaporé com a Avenida Tiradentes, na Luz, no centro de São Paulo, a três minutos de carro do quartel das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). Para tanto, contava com informações dadas por um dos vigias da agência. A Delegacia de Repressão a Roubos a Banco do Deic recebeu essas informações e conseguiu cercar a agência às 16 horas, quando os bandidos saíam do local.

Quatro deles foram detidos - Di Menor, o vendedor Clayton Paulo dos Santos, o Kéu, de 26 anos, o cobrador Thiago de Castro Pereira, o Periguinho, de 27, e Alessandre Fago Guedes Galvão, o Kiki, de 32. Com eles foram apreendidos uma pistola e um revólver. Também foi preso o vigia Alex Barreto da Silva, de 32. Ele teria ajudado o bando a entrar no banco com as armas.

Outros três acusados de participação no assalto conseguiram escapar em um Corsa e em um Uno. Entre eles estava um bandido conhecido como Monstro. "Ele é o único assaltante importante desse grupo que fugiu. Vamos pôr todos os nossos homens atrás dele", afirmou o diretor do Deic.

Fotos e vídeos. De acordo com as investigações do Deic, o grupo de Di Menor e Monstro agia havia cinco anos. Contra os acusados a polícia tem as imagens dos sistemas de vídeo e fotografias feitas nas agências bancárias invadidas pelos bandidos. "Temos certeza de que a desarticulação desse grupo terá como consequência a diminuição dos roubos a banco no Estado", afirmou o delegado.

No primeiro semestre deste ano, a polícia registrou 126 roubos a banco no Estado, aumento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado (120 casos no Estado).

A polícia não revelou quanto foi levado pelos bandidos no Santander, mas informou que parte do dinheiro foi recuperado pelos investigadores. No momento do assalto, ocorria parte das comemorações de aniversário da Rota, que completou ontem 41 anos. A solenidade foi feita dentro do quartel na Avenida Tiradentes, no centro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.