Polícia prende grupo suspeito de explodir caixas no interior

Quadrilha é apontada como autora de ataque em Cerquilho nesta terça-feira e em outras cinco cidades da região de Sorocaba 

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

22 Abril 2015 | 12h37

SOROCABA - Sete homens suspeitos de integrar uma quadrilha que explodia caixas automáticos e agências bancárias foram presos em Guareí e Boituva, região de Sorocaba, no interior de São Paulo, nesta terça-feira, 21. O grupo é acusado de ter explodido uma agência do banco Bradesco, na madrugada do mesmo dia, em Cerquilho, e pode ter atuado em ataques com explosivos em outras cinco cidades da região.

Três fuzis, uma metralhadora, duas espingardas, duas pistolas e cerca de 400 munições foram apreendidos com o bando.

Seis integrantes da quadrilha foram presos em duas chácaras, na zona rural de Boituva, horas depois do ataque em Cerquilho. Em uma delas, os suspeitos haviam enterrado um tambor com as armas usadas na ação. Os policiais localizaram ainda com os supostos criminosos coletes à prova de bala, capuzes e dinheiro.

O sétimo integrante da quadrilha foi preso em seguida no município de Guareí. Eles são suspeitos da explosão de caixas e agências, neste ano, também em Guareí, Torre de Pedra, Tapiraí, Conchas e Cesário Lange, e devem responder por crimes de formação de quadrilha, porte ilegal de arma, furto qualificado e associação criminosa.

A polícia montou uma força-tarefa com policiais civis e militares de quatro cidades para efetuar as prisões.

Novo ataque. Bandidos explodiram o caixa bancário instalado em um supermercado na zona norte de Sorocaba na madrugada desta quarta-feira, 22. A explosão destruiu o equipamento e danificou as instalações do comércio, mas os criminosos não conseguiram levar o dinheiro, segundo a Polícia Militar. Um explosivo que ficou intacto no local foi retirado pelo Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da PM.

No último dia 10, o caixa de outro supermercado havia sido explodido na mesma região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.