Polícia prende filho de acusado de matar estudante por diferença de R$ 7 na conta

José Adão, que já está preso, disse que não queria matar o estudante e sim 'só furar um pouquinho'

Zuleide de Barros,

15 Janeiro 2013 | 19h29

GUARUJÁ - Diego Souza Passos, de 23 anos, filho do dono do restaurante acusado de matar, com três golpes de faca, o estudante Mário dos Santos Sampaio, de Campinas, na véspera de Ano-Novo, foi preso na tarde desta terça-feira em Guarujá. O rapaz, que é gerente da churrascaria onde ocorreu o crime, teve sua prisão temporária decretada pelo mesmo motivo do seu pai, José Adão Pereira Passos, de 55 anos, que já está preso desde o último dia 9. De acordo com a Polícia, Diego ocultou as imagens das câmeras que poderiam esclarecer a ocorrência. Uma testemunha afirmou que as câmeras foram retiradas.

Desde a semana passada, os investigadores do 1º Distrito Policial de Guarujá procuravam por Diego. Em nova busca na residência da família, localizada a três quadras da churrascaria, no bairro da Enseada, seus parentes informaram que ele não se encontrava. Mas ele foi localizado sob a cama de um cômodo trancado nos fundos da casa.

No dia 2 de janeiro, pai e filho compareceram à delegacia e confessaram a autoria do crime. Não foram presos porque não houve flagrante. Em seu depoimento, José Adão afirmou que não pretendia matar o estudante e sim "só furar um pouquinho".

A discussão começou depois da discordância de Mário e de seus amigos de pagar uma diferença de R$ 7,00 pelo jantar. Na frente do restaurante havia um anúncio informando que a refeição, no sistema self-service, custaria R$ 12,99. Na conta, apresentada pelo gerente Diego, o preço cobrado foi de R$ 19,99, com a justificativa de que tal valor passaria a valer a partir das 18 horas. O grupo teria entrado no estabelecimento após esse horário. Depois de muita briga, o dono concordou em cobrar os R$ 12,99. Mas segundo relato das testemunhas, o gerente se exaltou afirmando que os rapazes seriam pegos lá fora. Neste momento, Mário resolveu ligar para a Polícia, reiniciando toda a confusão que resultou no homicídio.

Mais conteúdo sobre:
Guarujá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.