Bruno Ribeiro/Estadão
Bruno Ribeiro/Estadão

Polícia prende cinco por suspeita de ligação com chacina no Ceará

Homens foram detidos em velório e portavam pistolas e um revólver; armas serão periciadas e as evidências serão confrontadas com as munições nos corpos das vítimas. Catorze morreram em ataque no sábado passado

Bruno Ribeiro, Enviado especial

29 Janeiro 2018 | 23h19

FORTALEZA - A polícia do Ceará prendeu nesta segunda-feira, 29, sete homens supostamente ligados à chacina que deixou 14 mortos na madrugada do sábado, 27. Cinco tiveram a prisão mantida por porte ilegal de armas, e dois foram liberados após prestarem depoimento. Com eles, foram encontradas munições, três pistolas e um revólver, que passarão por perícia e serão confrontados com evidências da cena do crime. 

+ Homem salvou família antes de morrer em chacina em Fortaleza

+ Rebelião no Ceará deixa dez mortos 48 horas após chacina

Em entrevista à imprensa na noite desta segunda, a Secretaria da Segurança do Ceará informou que o velório era um de homem morto em confronto com a polícia durante a madrugada no bairro Boa Vista. Havia a suspeita de que os homens presos, cujas identidades não foram reveladas, teriam ido ao local efetuar novas execuções relativas a sobreviventes do massacre em Cajazeiras, durante um forró. Não foram fornecidas outras informações que ligassem os suspeitos presos ao crime do sábado passado. 

Além das armas, três veículos foram apreendidos e também passarão por perícia. Na madrugada do sábado passado, homens armados invadiram o Forró do Gago, na periferia de Fortaleza, e abriram fogo contra dezenas de pessoas, matando 14 e ferindo outras 18. Segundo relatos de testemunhas, homens fortemente armados desceram em frente à casa de forró e, calmamente, passaram a atirar nas pessoas que estavam na porta da casa de show. Depois, os criminosos entraram no espaço e continuaram disparando. A polícia continua investigando o caso.  

Mais conteúdo sobre:
Ceará [estado]chacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.