Polícia prende chefe do tráfico da Cracolândia e desmonta quadrilha

Salete Madalena de Souza Araújo, de 52 anos, foi detida em casa; trabalho policial teve como base investigação de escutas telefônicas

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

11 Agosto 2014 | 20h56

SÃO PAULO - A Polícia deteve uma mulher que era considerada uma das principais traficantes e mentoras da distribuição de drogas na região da Cracolândia, no centro de São Paulo. A operação, denominada "Selva de Pedra", desmontou uma quadrilha que atuava em ruas como  Helvetia, dos Gusmões, Guaianases e Dino Bueno. No total, foram 21 mandados de prisão - 13 pessoas já haviam sido detidas e outras 5 foram presas nesta segunda-feira, 11. Três estão foragidos.

Salete Madalena de Souza Araújo, de 52 anos, foi presa de pijama em casa. No local, foi apreendido um caderno com a contabilidade das vendas de crack. Com ela, também foi detido o sobrinho Flávio Henrique Souza Cunha, apontado pelas investigações como o integrante da quadrilha que recolhia o lucro do comércio das drogas.

"Ela se intitulava como a rainha da cracolândia para persuadir as pessoas", afirmou o delegado Reinaldo Castelo, do 3º DP (Campos Elíseos). Salete era investigada desde abril de 2013 por coordenar pontos de venda de drogas e fornecer entorpecentes a pequenos traficantes na região central.  

O trabalho da polícia, que durou 15 meses, teve como base investigação de mais de 170 escutas telefônicas de Salete e outros comparsas. Foi por meio destas ligações, autorizadas pela Justiça, que os investigadores chegaram às conexões da quadrilha. Foram apreendidas porções de cocaína, maconha e crack, além de balanças.

Também foi encontrada uma grande quantidade de celulares na residência de Francisca Irineu Magalhães, que,  junto ao filho Thiago Irineu Feitosa, é apontada como responsável pelo abastecimento de drogas na rua Dino Bueno. Ambos foram presos. A Polícia desconfia que os aparelhos roubados serviam como moeda de troca por drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.