Polícia prende bolivianas com cocaína no interior de SP

Mulheres, que transportavam 6,4 quilos da droga, foram presas na região de Presidente Prudente

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

13 de agosto de 2008 | 11h13

Duas bolivianas foram presas transportando 6,4 quilos de cocaína em um ônibus que trafegava pela Rodovia Raposos Tavares, na região de Presidente Prudente, na última segunda-feira, 11. De acordo com a polícia, o veículo, que seguia de Corumbá, no Mato Grosso do Sul, para São José dos Campos, foi abordado ao passar em frente à base da Polícia Rodoviária, na altura do quilômetro 561,5. Os policiais vistoriaram todo o ônibus e bagagens e não encontraram entorpecentes. Porém, em revista aos passageiros, os policiais apreenderam 3,2 quilos de cocaína com a comerciante Julia Romero Maturano, de 44 anos, e a mesma quantia com a dona de casa Mercedes Poquechoque de Arce, de 56 anos. Elas transportavam o entorpecente em três pacotes plásticos revestidos com fita adesiva junto ao corpo (coxas e abdômen). As bolivianas disseram aos policiais que receberam a droga de uma pessoa desconhecida em Corumbá e que ela seria entregue para uma outra pessoa no Terminal Barra Funda, na capital paulista. Além disso, também receberiam U$ 200 pelo transporte do entorpecente. Elas ainda alegaram que não viajavam juntas. Segundo o soldado da 5ª Cia. do 2º Batalhão de Polícia Rodoviária, os patrulheiros conseguiram localizar as passageiras por meio de fiscalização de rotina contra ilícitos penais. "Todos os veículos que vêem de outros Estados são abordados, principalmente coletivos com itinerários suspeitos. O ônibus em que elas viajavam vinha de Corumbá, região próxima da fronteira", explicou. Julia e Mercedes foram detidas em flagrante e conduzidas à Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Presidente Prudente, para prestarem esclarecimentos. Depois foram encaminhadas à Cadeia Feminina de Pirapozinho, onde responderão por tráfico de drogas.

Tudo o que sabemos sobre:
tráfico de drogascocaína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.