Eduardo Valente/Futura Press
Eduardo Valente/Futura Press

Polícia prende 46 envolvidos com ataques em Santa Catarina

Suspeitos têm relação com crimes ocorridos desde segunda-feira; outros 16 são procurados

16 de novembro de 2012 | 12h28

SÃO PAULO - Um total de 46 suspeitos foram presos até as 7h desta sexta-feira, 16, por envolvimento na onda de ataques que ocorre em Santa Catarina desde segunda-feira, 12. Outras 16 pessoas são procuradas e três morreram em confrontos com as forças de segurança no período, segundo balanço da Secretaria Estadual de Segurança Pública.

Os detidos são responsáveis por incendiar ônibus, carros, órgãos públicos e atacar bases das polícias militar, civil e da Guarda Municipal em diversas cidades. Os atentados se repetiram entre a noite de quinta-feira e a manhã desta sexta, em seu quinto dia consecutivo.

Ao menos oito novos casos foram registrados, de acordo com o jornal Diário Catarinense. Eles ocorreram em Florianópolis, São José, Tijucas, Criciúma, Navegantes e Itapema.

Mais um carro e seis ônibus foram queimados, o último nesta manhã, na rodovia SC-407, em São José, na Grande Florianópolis. Uma fábrica de cordas foi incendiada, em Navegantes, onde testemunhas disseram à polícia ter visto um grupo de dez homens carregando galões perto do local. 

Em Tijucas, dois suspeitos foram mortos pela Polícia Militar por volta das 23h de quinta-feira após uma troca de tiros, de acordo com o Diário. Eles estariam planejando o assassinato de policiais, em resposta à morte de um criminoso em Itapema na quarta-feira.

Em Criciúma, um homem foi baleado e três adolescentes foram detidos após mais uma troca de tiros, no bairro de Tereza Cristina. O confronto teria começado depois que uma viatura da PM foi alvejada.

Mais conteúdo sobre:
SANTA CATARINAviolênciapresos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.