Polícia pede prisão de PMs por execução

Vídeo mostra que suspeito morto na zona sul estava desarmado durante abordagem

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

30 Maio 2014 | 20h30

SÃO PAULO - A Polícia Civil pediu a prisão temporária de dois policiais militares suspeitos de matar um suspeito que estava desarmado, no dia 12 de maio, em Parelheiros, na zona sul, durante uma abordagem policial. O pedido foi feito na tarde desta sexta-feira, 30, após o Bom Dia Brasil, da Rede Globo, mostrar imagens feitas por uma testemunha em que a vítima aparece desarmada.

A suspeita do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) é a de que Conceição tenha sido executado pelo soldado Uilian Logati Moreira, 32 anos, e pelo cabo Marco Tulio Prates Leme de Souza, de 41 anos. Nas imagens, feitas com um telefone celular, Conceição fala para que a testemunha continue gravando a abordagem feita por Moreira.

"Filma aí, moleque. Eles (os policiais) vão me matar. Eu vou morrer", afirma na gravação. Na sequência, Conceição corre e é perseguido pelo policial que está armado com uma pistola. As imagens não mostram o que acontece na sequência, mas é possível ouvir o barulho de luta corporal e um tiro. Ao escutar o disparo, a testemunha corre para um beco e o celular capta o som de um segundo tiro.

Para a Ouvidoria das Polícias do Estado de São Paulo, o vídeo mostra um "total desvio de conduta" dos policiais. "É uma denúncia de execução. Por isso, vamos pedir relatórios de necropsia e perícia , notificar a Corregedoria de PM e solicitar acompanhamento do Ministério Público. Esses policiais precisam ser afastados imediatamente das ruas", afirmou o ouvidor Júlio César Fernandes Neves.

Investigadores do DHPP afirmaram que as imagens surgiram apenas agora. "A informação que chegou é a de que um parente da vítima recebeu as imagens e procurou a imprensa", afirmou um policial. Na tarde desta sexta, o arquivo de vídeo foi levado ao DHPP.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado no dia em que Conceição foi morto, os dois PMs estavam perseguindo um veículo Mercedez Benz, modelo Classe A, que tinha sido roubado três dias antes, na Cidade Dutra, também na zona sul. A vítima era um entregador de 65 anos que foi cercado e dominado na rua onde mora por quatro suspeitos. Os dois policiais afirmaram que faziam uma ronda em Parelheiros quando se depararam com o veículo ocupado por três suspeitos.

O soldado e o cabo disseram que o motorista do carro roubado fugiu ao perceber a presença dos PMs. Durante a perseguição, o suspeito perdeu o controle e bateu no portão de uma residência. Gilson Santos Barbosa, de 22 anos, foi preso em flagrante e um segundo suspeito fugiu.

Defesa. Na época, os PMs afirmaram que, enquanto o cabo "providenciava apoio para a detenção" de Barbosa, o soldado Logati perseguia Conceição. Ainda de acordo com a versão dos policiais, a vítima sacou um revólver. Para se defender, os dois PMs abriram fogo. As pistolas calibre .40 dos policiais foram apreendidas. O suspeito, segundo o boletim, estava com um revólver calibre 38.

A Polícia Militar diz que "não admite" desvios de conduta e o caso está sob investigação da Corregedoria da PM. Segundo a corporação, os dois PMs se apresentaram nesta sexta, mas ainda não havia a informação se os dois policiais foram detidos.

Mais conteúdo sobre:
Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.