Polícia pede mais tempo para concluir inquérito da Renascer

Delegado já ouviu 92 pessoas na investigação sobre o acidente que deixou nove mortos e mais de 100 feridos

Elvis Pereira, estadao.com.br

18 Fevereiro 2009 | 18h37

O delegado titular da 1ª Delegacia Seccional, Dejar Gomes Neto, pediu mais tempo para concluir o inquérito instaurado para investigar as causas do desabamento do teto da sede mundial da Igreja Renascer em Cristo, no Cambuci, centro da capital. A polícia já ouviu 92 pessoas. O acidente ocorreu no dia 18 de janeiro e deixou 9 mortos e 103 feridos.   Veja também:  Em depoimento, Kaká confirma doação à Renascer   Galeria: imagens da tragédia  Todas as notícias sobre o desabamento    Três vítimas do acidente ainda não receberam alta. O caso mais grave é da jovem Evelise Del Corso, de 17 anos, mantida na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Servidor Público Municipal. De acordo com a Secretaria de Saúde, ela respira com a ajuda de aparelhos. Fábio Jodas de Oliveira, de 27 anos, saiu da UTI do Hospital das Clínicas na semana passada. No Hospital São Paulo, Maria Sônia Nunes, de 50 anos, teve o tornozelo esquerdo operado e, agora, é submetida a um tratamento com antibióticos.   Uma das sete casas interditadas em decorrência do acidente segue interditada. O motivo é o risco da laje do imóvel cair. Os funcionários da Diez, empresa encarregada da demolição, ainda atuam na remoção do que restou do templo. A Renascer informou que os trabalhos vêm ocorrendo dentro da normalidade, porém não revelou quando a demolição deve ser concluída. A igreja aguarda a autorização de "todas as autoridades envolvidas" para remover as telhas de amianto do terreno.   O plano da Renascer é reerguer sua sede no mesmo local. "No entanto, ainda é tudo muito recente e não há qualquer projeto", afirmou a igreja, por meio de sua assessoria de imprensa. Questionada se os familiares de vítimas do acidente serão indenizadas, a Renascer ressaltou que espera o resultado das investigações e que "não é momento para discussão sobre indenizações seja a quem quer que seja".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.