Polícia localiza parte da carga de smartphones roubada em Campinas

Material foi levado na madrugada do domingo por criminosos em um comboio formado por seis caminhões baú e nove carros; apreensões foram feitas em três pontos de SP

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

20 de fevereiro de 2013 | 13h54

CAMPINAS - A Polícia Civil localizou na madrugada desta quarta-feira, 20, parte da carga de smartphones roubada na madrugada do domingo por criminosos em um comboio formado por seis caminhões baú e nove carros em um condomínio empresarial em Campinas, no interior de São Paulo.
Foram feitas apreensões em três pontos e uma prisão na Grande São Paulo até esta manhã. Em um dos locais, em Vargem Grande Paulista, foi detido um suspeito. Uma caminhonete usada no roubo foi encontrada e computadores que teriam sido levados do local. Outra parte da carga foi encontrada em um terreno na Zona Oeste da capital. Foi feita uma apreensão também na rodovia Raposo Tavares, em Cotia, em um caminhão e uma van.

Em apenas uma das apreensões, a estimativa é que a carga estava avaliada em R$ 4 milhões, segundo investigadores da Polícia Civil. As investigações estão sendo centralizadas pela Delegacia Seccional de Campinas, com apoio de equipes especializadas de Campinas e de São Paulo.
Novas apreensões serão anunciadas no decorrer do dia, tanto na Grande São Paulo como no interior.

Mista. O Estado apurou que o grupo, que tinha cerca de 30 pessoas e contava com informações de gente que trabalhava dentro do condomínio, era composta por pelo menos duas quadrilhas.
Eles estavam fortemente armado com fuzis, submetralhadoras e pistolas.
Parte dos assaltantes chegou em um carro duble da empresa que presta segurança para o Centro Logístico Brasil (CLB), que fica na rodovia Anhanguera, na altura do entroncamento com a D. Pedro I, no distrito de Nova Aparecida.

Depois de renderem os vigias da guarita de entrada, eles liberaram o acesso para os demais integrantes da quadrilha que estavam encapuzados nos outros veículos. O alvo do comboio era uma carga de produtos de alta tecnologia armazenada no centro logístico da multinacional espanhola Celistics, especializada em operações de distribuição e transporte de smartphones, tablets e insumos tecnológicos.

A empresa, que concentra 60% da operação logística das empresas de telecomunicação e de TI do Brasil, se instalou em setembro do ano passado no local, quando foi inaugurado o CLB. Ela ocupa 50% do prédio do centro logístico, que é privado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.